Header image

Programa Audi de Capacitação

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 28 de maio de 2017 Marcadores: , 0 comentários

A Audi do Brasil capacitará 15 jovens carentes da capital paulista em um projeto social lançada em março, em parceria com a Fundação Projeto Pescar. Com idade entre 16 e 19 anos, os aprendizes, que estão em situação de vulnerabilidade social, estão recebendo capacitação profissional em Manutenção de Mecânica Veicular, além de conteúdos que contemplam o desenvolvimento pessoal e aspectos ligados à cidadania. As 800 horas de aulas estão sendo ministradas de forma voluntária pelos colaboradores da empresa ao longo de 2017.

“A responsabilidade socioambiental está inserida no propósito da Audi. Trabalhamos no desenvolvimento de tecnologias voltadas ao futuro da mobilidade, de materiais mais leves, de motorizações com baixa emissão, além de processos que seguem preceitos sustentáveis. E o nosso entorno é muito importante também. Por isso, iniciamos esse projeto com jovens carentes, para que possam não só ter oportunidades de inserção no mercado de trabalho, mas também uma boa formação cívica, contribuindo para a construção de um futuro melhor”, destaca Johannes Roscheck, presidente e CEO da empresa.

As aulas, que estão sendo realizadas no Centro de Treinamento e Competência Tecnológica da Audi, em São Paulo, são ministradas exclusivamente por colaboradores da montadora. A empresa montou uma equipe técnica para lecionar sobre mecânica veicular, com foco em profissionalização, em uma grade que abrange 40% de todo o curso. As demais horas são voltadas para o ensino da língua inglesa, matemática, informática, além de questões voltadas à cidadania, como diversidade cultural e social, entre outros.

Para a seleção dos jovens aprendizes, a Audi disponibilizou em escolas públicas da capital paulista um formulário de inscrição, para ser preenchido por interessados com renda familiar per capita de até meio salário mínimo. Os interessados passaram por uma triagem, com entrevista individual e visita domiciliar. A turma de 2017 recebeu uniforme, transporte e alimentação. A ideia é que o projeto seja permanente, formando novos jovens no futuro.

O Projeto Pescar tem presença em cinco países e já atendeu quase 28 mil jovens em situação de vulnerabilidade, reunindo mais de 2500 voluntários. O índice de empregabilidade dos aprendizes que passam pelos programas de capacitação oferecidos em parceria com as empresas é de mais de 90%. Para mais informações, acesse aqui.

(Fonte: DW)

Vans Elétricas

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 14 de maio de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

A Mercedes-Benz e a Hermes, uma das empresas líderes do setor de logística de distribuição urbana na Alemanha, firmaram acordo para substituir veículos da frota atual da transportadora por modelos elétricos. Os veículos equipados com bateria serão utilizados num projeto piloto, com início previsto para 2018, em operações da Hermes nas cidades alemãs de Hamburgo e Stuttgart.

Até 2020, esse cliente pretende contar com 1.500 comerciais leves elétricos da Mercedes-Benz, entre Vito e Sprinter, para utilização em áreas urbanas, visando aumentar a economia operacional, a sustentabilidade e trazer mais praticidade para a logística de entrega.

“A tecnologia de propulsão elétrica será decisiva para o transporte urbano, especialmente no uso comercial. Como exemplo, as entregas devem se tornar mais eficientes e sem emissões. No ano passado, anunciamos que colocaríamos uma van elétrica em série novamente. A primeira foi em 2011”, diz Volker Mornhinweg, chefe mundial da Mercedes-Benz Vans.

Segundo Frank Rausch, CEO da Hermes Alemanha, a parceria com a Mercedes-Benz é um marco no progresso da proteção do clima e do meio ambiente com a mobilidade elétrica. “Com as vans elétricas da Mercedes-Benz, iniciamos o processo de renovação da frota de maneira sustentável, utilizando-a em operações de entregas urbanas”.

Eletricidade é uma energia sem impacto no clima

Devido ao crescimento das vendas de produtos pela internet, as empresas de logística estabeleceram como meta melhorar a eficiência, produtividade e sustentabilidade nas entregas das encomendas, além de incrementar a qualidade dos serviços junto aos clientes.

Até 2025, a Hermes planeja executar as entregas nos centros das principais cidades alemãs totalmente sem emissões. Somente eletricidade, a partir de fontes 100% renováveis, será utilizada para a recarga das baterias de propulsão dos veículos. A energia será gerada sem impacto algum ao clima e em conformidade com o selo verde de eletricidade “Grüner Storm”, emitido por associações ambientais.

Novos conceitos sobre a entrega e a eficiência econômica dos veículos elétricos deverão ser adotados para a integração das vans elétricas nos processos operacionais já existentes, inclusive a infraestrutura necessária para recarregar as baterias. Com a utilização dos comerciais leves elétricos da Mercedes-Benz, silenciosos e livres de emissões, a parceria entre as duas empresas alemãs deseja influenciar o mercado, visando à otimização do transporte urbano de mercadorias.

Sistemas conectados e soluções inteligentes

Outro importante ponto para a melhoria da eficiência das entregas, refere-se ao desenvolvimento de sistemas inteligentes que equipam as vans. Com a parceria, a Mercedes-Benz Vans também implementará serviços conectados, como, por exemplo, que otimizem o planejamento das rotas de entrega com informações sobre a autonomia da bateria.

A Mercedes-Benz contribuirá também com soluções inteligentes de carga e espaço, além de inovadores serviços de mobilidade para a empresa, o que inclui novas modalidades de leasing e de locações de curto prazo

(Fonte: DW)

Reciclar "Ganhando" Dinheiro

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado sexta-feira, 5 de maio de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Que os alemães amam cerveja é fato. Mas que costumam acumular caixas com garrafas em casa é algo que só entendemos quando vamos ao supermercado. Pessoas fazem filas para entregar garrafas de vidro e plástico na "Pfandautomat”. A máquina calcula o valor do recipiente e o devolve na forma de um ticket, que pode ser recebido em dinheiro no caixa ou descontado na compra.

Não foi à toa que uma funcionária da Deutsche Bahn – companhia ferroviária que opera os trens na Alemanha – me perguntou se eu iria deixar a garrafa de água para trás no restaurante de bordo. "Vale 25 centavos”, me alertou. Chequei, e o valor até aparecia na embalagem.

O esquema do "Pfand" (depósito, em alemão) funciona como um caução. Quando faz a compra, o consumidor paga um valor extra pela garrafa – entre 8 e 25 centavos de euro – e o resgata quando devolve o recipiente no supermercado. Essa quantia já está incluída no preço da mercadoria.

A estratégia é adotada pela Alemanha há cerca de três décadas para incentivar a reciclagem, reduzir danos ao meio ambiente e forçar os produtores de bebidas a manter a cota de 70% de vasilhames reutilizáveis estabelecida pela lei de embalagens alemã.

Depois que você deposita todas as garrafas, a máquina soma a quantia e gera um cupom que pode ser levado ao caixa para ser abatido no valor da compra. Mesmo sem comprar nada no supermercado, é possível apresentar o ticket e receber o valor em moedas.

Os vasilhames de cerveja são os mais "baratos” – valem 8 centavos. Os que têm tampa com fechamento "flip top" custam 15 centavos, assim como garrafas de água e refrigerantes. Garrafas recicláveis que são utilizadas apenas uma vez e latinhas de alumínio valem 25 centavos. Elas são derretidas e o material é reutilizado na produção de novos vasilhames. Já o tradicional casco das garrafas de vidro vale cerca de 3 euros.

Com algumas garrafas de vinho é possível recuperar entre 2 e 3 centavos. Mas em geral licores e bebidas destiladas, leite e suco de frutas não têm o "Pfand”. Além disso, a regra vale apenas para marcas nacionais.

As garrafas classificadas como "Merhweg” (as que são reutilizáveis) representam 50% das embalagens de bebidas na Alemanha. Os recipientes passam por um processo de limpeza antes de serem novamente enchidos e voltarem aos supermercados. Segundo o Departamento Federal do Meio Ambiente alemão (UBA), garrafas retornáveis de vidro podem ser reutilizadas até 50 vezes e as de plástico, até 20 vezes. Apenas as tampas são recicladas.

As garrafas "Mehrweg” são as que causam menos danos ao meio ambiente. Elas podem ser devolvidas em qualquer estabelecimento na Alemanha, mas o UBA recomenda que os consumidores comprem, de preferência, garrafas produzidas na região para reduzir o impacto ambiental do transporte dos vasilhames até o produtor original.

Praticamente todos os supermercados são obrigados a ter Pfandautomaten ou receberem as garrafas dos consumidores. Cada máquina custa entre 7 mil e 15 mil euros. Boa parte do plástico PET é vendido para a China, que usa o material para confeccionar fibras têxteis, estofados domésticos, lonas plásticas e brinquedos.  

O "Pfand" é também uma forma de ganhar dinheiro extra ou até de sustento para quem vive na Alemanha. É comum ver estudantes em mutirões para recolher garrafas nas ruas e, com o dinheiro obtido no supermercado, garantir a festa do fim de semana. Ou idosos em situação vulnerável vasculhando cestos de lixo em busca das garrafas retornáveis. Voluntários costumam doar as garrafas para quem precisa.

(Fonte: Alemanices, coluna de Karina Gomes. Ela escreve crônicas sobre os hábitos alemães, com os quais ainda tenta se acostumar. A repórter da DW Brasil e DW África tem prêmios jornalísticos em direitos humanos e sustentabilidade e vive há três anos na Alemanha)