Header image

Siemens

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado segunda-feira, 23 de janeiro de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

Programa da Fundação Siemens estimula interesse científico em crianças. O Programa Experimento comemora seu segundo ano de atuação no Brasil com ótimos resultados e planos de ampliar ainda mais sua proposta de despertar a curiosidade cientifica nas crianças brasileiras. Em um ano, o número de alunos quintuplicou, indo de 4 mil no final de 2015 para cerca de 20 mil no final de 2016, em sete estados brasileiros.

Desde 2015, o programa expandiu em abrangência territorial, cobrindo atualmente 21 municípios. Após tais resultados expressivos em apenas um ano, a Fundação traça metas ainda mais ambiciosas para 2017. De acordo com a secretária executiva da Fundação Siemens, Bianca Talassi, a meta para 2017 é fechar o ano com 46 cidades participantes, em 12 estados, beneficiando 30 mil alunos.

O Projeto Experimento tem como objetivo aprimorar o ensino de ciências e fomentar o interesse por questões científicas em crianças e jovens, por meio de uma metodologia que incentiva o aprendizado a partir da descoberta e parte de iniciativas similares na Alemanha, onde teve origem. “Esse crescimento mostra de maneira clara o comprometimento da Fundação Siemens com o fomento educacional brasileiro, e que há espaço para iniciativas do mesmo tipo”, afirma Talassi.

Da mesma forma, aumentaram o número de professores que utilizam conteúdo educacional: em 2015 eram 200 multiplicadores nas escolas beneficiadas; hoje são 500 deles. Segundo a secretária executiva, esse número só tende a aumentar, e é fundamental para multiplicação e integração de novos alunos, uma vez que se estima que cada um deles pode atender entre 20 e 30 alunos. Por isso, a meta é crescer ainda mais e finalizar o ano de 2017 com 1500 professores/multiplicadores.

O projeto atua capacitando os instrutores com métodos, instruções e materiais que encorajam crianças a pensarem de forma independente e criativa sobre problemas científicos e suas soluções. A metodologia facilita aos professores traduzir o princípio do aprendizado por descoberta em práticas de ensino. Nela, crianças e jovens são gestores do próprio conhecimento, explorando fenômenos naturais de forma independente por meio da experimentação.

“O Projeto Experimento oferece workshops para treinamento dos professores para utilizarem os experimentos na prática, três kits com materiais para experimentos nas áreas de Energia, Saúde e Meio Ambiente e manual com instruções detalhadas sobre os 130 experimentos propostos”, explica Talassi.

Os kits são divididos por faixa etária e possuem metodologia própria, que cobrem da pré-escola ao ensino médio: Experimento | 4+ (de 4 a 7 anos), Experimento | 8+ (8 a 12 anos) e Experimento 10 + (de 10 a 18 anos). No mundo, o projeto está presente em três continentes, nos seguintes países: Alemanha, África do Sul, Quênia, Chile, Peru, Colômbia, Argentina, México e Brasil.

(Fonte: BrasilAlemanha News )

VW Corta Vagas

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado segunda-feira, 9 de janeiro de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Mais de um ano após o escândalo das emissões, a Volkswagen admite que para se adaptar aos novos tempos precisará cortar custos, eliminar postos de trabalho e aumentar a produtividade. A empresa anunciou na sexta-feira um plano de economia que inclui a eliminação de 30.000 empregos. Destes, 23.000 estão na Alemanha e os restantes 7.000 serão distribuídos entre Argentina e Brasil.

O plano foi negociado com os sindicatos que conseguiram preservar o quadro de trabalhadores da empresa. Os cortes serão feitos através da amortização dos postos de trabalho, aposentadorias antecipadas e redução do trabalho temporário.

“Nossos empregados na Alemanha não devem se preocupar com seus postos de trabalho. Sinto muito pelos afetados, mas a situação do mercado nos deixa pouco espaço de manobra”, disse Herbert Diess, o presidente da marca Volkswagen, em uma apresentação com o resto da cúpula da empresa em Wolfsburg, a cidade do centro da Alemanha onde está localizada a sede da Volkswagen.

Os sindicatos conseguiram o compromisso de que não haverá demissões pelo menos até 2025 em um plano de cortes que vai se concentrar nas fábricas do norte da Alemanha. A empresa prevê, além disso, contratar 9.000 pessoas em novas áreas de trabalho. O grupo, que além da marca Volkswagen engloba outras 11, emprega 600.000 pessoas no mundo todo, das quais pouco menos da metade estão na Alemanha.

O plano com o qual a gigante automotiva pretende economizar 3,7 bilhões de euros (13,4 bilhões de reais) responde, segundo argumentaram seus executivos, às mudanças que estão ocorrendo no mercado. “A marca Volkswagen não ganha dinheiro suficiente”, disse Diess. A empresa espera aumentar a produtividade de suas fábricas e avançar na sua transformação em uma empresa com foco na digitalização e na mobilidade elétrica.

O presidente do grupo Volkswagen, Matthias Müller, já tinha anunciado em junho passado o que chamou de “o maior processo de mudança na história da empresa”. O plano incluía a produção de mais de 30 novos modelos de carros elétricos até 2025, um setor no qual a empresa alemã ainda não havia apostado.

A decisão acontece depois da crise das emissões, que pesou sobre as contas e a reputação da empresa. As reparações decorrentes do escândalo e as possíveis sanções foram estimadas em cerca de 18,2 bilhões de euros (66,1 bilhões de reais). O Dieselgate afetou 11 milhões de veículos a diesel em todo o mundo. A Volkswagen concordou em desembolsar 16,5 bilhões (60,2 bilhões de reais) para resolver as questões pendentes com os modelos de dois cilindros, mas ainda estão pendentes outros modelos.

(Fonte: El País)

Mensagem de Merkel

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 1 de janeiro de 2017 Marcadores: 0 comentários

No sua tradicional mensagem de Ano Novo, a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, disse que os alemães estão deixando "um ano de provações difíceis" para trás. Entre elas, o terrorismo islâmico foi, "sem dúvida", a mais difícil, afirmou Merkel, lembrando os vários atentados que ocorreram no ano: Würzburg, Ansbach e, em meados de dezembro, também em Berlim.

Doze pessoas morreram no atentado em Berlim, quando o tunisiano Anis Amris invadiu um mercado natalino com um caminhão. O jovem de 23 anos chegou à Alemanha como refugiado. Segundo Merkel, é especialmente triste e revoltante quando atentados terroristas são cometidos por pessoas que aparentemente procuravam proteção no país. A chanceler afirmou que tanto a receptividade dos alemães como aqueles que realmente necessitam e merecem ajuda são ofendidos com atos desse tipo.

Merkel afirmou que a tristeza devido aos mortos e feridos ainda é grande na sociedade alemã, mas que ela percebe determinação em meio a essa tristeza. "Uma determinação forte de contrapor, ao ódio dos terroristas, a nossa humanidade e coesão social."

A mensagem da chanceler deixa claro que ela confia na sua política de refugiados. "Ao vermos, por exemplo, imagens de Aleppo bombardeada na Síria, podemos repetir como foi importante e correto ajudar, no ano passado, aqueles que realmente precisavam da nossa proteção a se estabelecer aqui e se integrar."

Ela chamou os terroristas de assassinos cheios de ódio. Estado de Direito e democracia são a alternativa a eles, acrescentou. "Nosso valores serão mais fortes do que o terrorismo", afirmou. Ela reiterou empenho na luta contra o terrorismo e disse que o Estado garantirá segurança e liberdade para todos. "Em 2017, nós, como governo, vamos agir onde as mudanças políticas e legais são necessárias, conduzindo e aplicando as medidas necessárias rapidamente", anunciou a chanceler.

Merkel disse que espera mais coesão social e o fortalecimento da democracia em 2017. Para ela, muitas pessoas associam o ano de 2016 a um sentimento de que o mundo saiu dos trilhos. Conquistas, como a União Europeia ou a democracia parlamentar, foram questionadas por aparentemente não se preocuparem com o interesse dos cidadãos. "Essa é uma imagem distorcida", afirmou. A chanceler reconheceu que a UE é devagar, porém, "nós, alemães, não deveríamos jamais nos deixar enganar de que um futuro feliz esteja em iniciativa nacionais solitárias."

Em setembro de 2017 haverá eleições para o Bundestag, e Merkel também mencionou isso na sua mensagem de Ano Novo. Segundo ela, a democracia parlamentar exige "contestação e participação", mas sempre de forma pacífica e respeitosa. "Vou me empenhar por um debate político no qual possamos discutir apaixonadamente muita coisa, mas sempre como democratas que jamais esquecem que é uma honra servir à nossa democracia e, com isso, às pessoas."

(Fonte: DW)