Header image

Feliz Ano Novo!

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado sábado, 30 de dezembro de 2017 Marcadores: 0 comentários


Feiras 2018

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

O primeiro semestre de 2018 já começa com seis feiras alemãs dos mais diversos setores organizados pela Messe Berlin. Como representante oficial da instituição no Brasil a Câmara Brasil-Alemanha também está atuando fortemente para a presença brasileira na capital alemã, Berlim.

A Internationale Grüne Woche (Semana Verde Internacional – IGW em sua sigla no alemão) é a feira que abre o calendário. Ponto de encontro entre as indústrias de alimentos, agrícola e de horticultura, a IGW também reúne mais de 70 ministérios dos setores de alimentação e agricultura e sedia o Fórum Global para Alimentação e Agricultura (GFFA). A feira acontece entre os dias 19 e 28 de janeiro.

Em fevereiro, é a vez do setor de construção civil se juntar na bautec. Realizada há cada dois anos, sua última edição contou com a participação de mais de 35 mil visitantes de 30 países diferentes, sendo que 76% desses são tomadores de decisões. A bautec 2018 acontece entre os dias 20 e 23 de fevereiro.

O turismo também não fica de fora no primeiro semestre de 2018. Entre os dias 07 e 11 de março a capital alemã recebe a feira líder do setor, a ITB Berlin. Em sua última edição, o evento contou com mais de 10 mil expositores representando 184 países e regiões.

O mês de abril marca a realização da feira internacional para o segmento de Tecnologia da Informação para a Saúde, a conhIT. Em 2017, a feira completou 10 anos de existência e contou com 9 mil visitantes e 451 expositores de 16 países. A conhIT acontece entre os dias 17 e 19 de abril.

O segmento aeroespacial e da indústria de aviação também contam com uma feira internacional organizada pela Messe Berlin. A ILA Berlin Air Show está programada para acontecer entre os dias 25 e 29 de abril.

A CE China, que acontece sob o mesmo conceito que a IFA Berlin, tem o foco voltado para o setor de eletrônicos de consumo e acontece na cidade de Shenzhen, na China, entre os dias 3 e 5 de maio.

A Câmara Brasil-Alemanha representa oficialmente a Messe Berlin no Brasil e, portanto, oferece o suporte necessário para expor e visitar cada uma das feiras mencionadas acima, além de ingressos com valor reduzido. Para saber mais clique aqui ou entre em contato pelo telefone (+ 55 11) 5187-5108 ou pelo e-mail comex@ahkbrasil.com.

(Fonte: Brasil-Alemanha News - Foto: Divulgação Messe Berlin)

Extrema Direita Cresce

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado sábado, 16 de dezembro de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

A extrema-direita alemã escolheu, sábado, os novos líderes da AfD. Jörg Meuthen foi reeleito para a liderança que vai partilhar com Alexander Gauland. A eleição da dupla, Meuthen com 72% dos votos e Gauland com 68%, confirma o poder da ala mais à direita dentro do partido. 

A extrema-direita alemã escolheu, sábado, os novos líderes da AfD (Alternativ für Deutschland /Alternativa para a Alemanha). Jörg Meuthen foi reeleito para a liderança que vai partilhar com Alexander Gauland, chefe do grupo parlamentar.

Conhecido por declarações controversas sobre o Islão e a recusa do "arrependimento" alemão pelos crimes nazis, Gauland apresentou-se no último momento, quando os outros candidatos abandonaram a corrida.

A eleição da dupla confirma o poder da ala mais à direita dentro do partido, mas nem Jörg Meuthen, com 72% dos votos, nem Gauland, em 68%, reconciliaram plenamente os radicais e os conservadores moderados.

Tal como prometido por Gauland, o objetivo da AfD, agora, é fazer frente a Angela Merkel. A chanceler alemã, depois de doze anos à frente do país, na sequência do fracasso das negociações entre conservadores, liberais e ecologistas, está desesperada por construir uma maioria governamental numa paisagem política desintegrada.

A meio do dia, mais de 6.000 manifestantes percorreram o centro de Hannover para defender a política de imigração de Merkel, que resultou na chegada de mais de um milhão de requerentes de asilo desde 2015.

De manhã, várias centenas de pessoas tentaram bloquear o acesso ao congresso da AfD. A polícia mobilizou milhares de agentes e usou canhões de água para libertar os acessos. Vários polícias e manifestantes ficaram feridos na sequência de confrontos.

(Fonte: EuroNews)

Pontualidade Alemã...

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado terça-feira, 12 de dezembro de 2017 Marcadores: , 0 comentários

O novo aeroporto da cidade de Berlim, cuja inauguração estava prevista para 2011, deve ter sua entrega adiada mais uma vez, segundo informações da revista alemã Der Spiegel. A abertura do Aeroporto Willy Brandt de Berlim-Brandemburgo (ou BER, como é comumente chamado) pode ocorrer somente em 2020 com base em um plano emergencial no qual um terminal provisório, apelidado de T1E e sem grandes ambições técnicas ou arquitetônicas, entraria em funcionamento independentemente da resolução de problemas no terminal principal.

O plano original era substituir os dois atuais aeroportos da cidade, Tegel e Schönefeld, por um grande e moderno aeroporto internacional, que fosse o novo cartão de visitas da Alemanha moderna. Em vez disso, o BER tornou-se motivo de vergonha e chacota nacional. Os antigos aeroportos são pequenos e ultrapassados. Tegel, que mais lembra uma estação rodoviária, deveria ser fechado na inauguração do BER. Já se cogita, no entanto, mantê-lo aberto. O motivo para a meia-volta é explicado em parte pelo fato de viajantes gostarem de Tegel: o aeroporto é central e suas dimensões reduzidas o tornam prático. Outro fator que pode pesar na decisão é que o Willy Brandt deve ser inaugurado com capacidade inferior ao número de passageiros que passam anualmente pelos terminais aéreos da capital alemã e que aumentou significativamente entre a data original prevista para a inauguração e os quase dez anos de atrasos nas obras.

A lista de defeitos do novo aeroporto de Berlim poderia ser o pior pesadelo de qualquer engenheiro: erros em “detalhes” como o espaçamento entre os degraus de escadas rolantes e no vão entre portas e pisos de elevadores, problemas no fluxo interno do ar que obrigam o aeroporto a manter trens circulando vazios em seu subsolo para evitar mofo pelo excesso de umidade, além de um sistema de exaustão de fumaça que simplesmente não funcionava. Ao todo, mais de 150.000 erros de construção tiveram de ser corrigidos até aqui. Segundo a imprensa alemã, os custos do Willy Brandt já superaram em 5 bilhões de euros o previsto no orçamento inicial e a manutenção do aeroporto fechado consome 20 milhões de euros mensalmente.

Seis datas de inauguração foram estipuladas até agora –outubro de 2011, junho de 2012, março de 2013, outubro de 2013 e junho de 2017–, mas nenhuma vingou. Uma cerimônia de abertura foi marcada para uma data desconhecida de 2018 e, mais uma vez, deve ser cancelada.

O terminal principal do aeroporto é o que sofre com mais problemas. Apesar de estrutura já estar pronta, até hoje os complexos sistemas de segurança e proteção contra incêndio não funcionam perfeitamente. Recentemente, a TÜV Rheinland, empresa responsável por inspecionar as estruturas de segurança, encontrou uma nova falha nos sistemas anti-fogo que já havia sido corrigida seis anos atrás.

A construção do T1E, o terminal emergencial, já está prevista mas ainda não foi iniciada. O Conselho Fiscal aprovou a obra, que deve custar outros 100 milhões de euros aos cofres da Alemanha. Patinho feio do aeroporto, o T1E pode acabar, no entanto, se provando a redenção do BER –além de prover um pequeno alívio na inquietação com o arranhão sofrido na imagem de eficiência dos alemães.

(Fonte: Veja)

Sem Relógios Inteligentes

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quarta-feira, 22 de novembro de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

A agência alemã de telecomunicações proibiu a venda de modelos para crianças dos chamados relógios inteligentes, os smartwatches. As autoridades do país instruíram os pais que destruíssem os aparelhos de seus filhos, alegando que eles são "dispositivos de escuta".

A proibição faz parte de uma campanha que visa preservar a privacidade dos cidadãos do país, principalmente as capacidades de captar áudio desses aparelhos.

Já a BEUC, organização europeia de direitos do consumidor, afirma que esses aparelhos possuem problemas de segurança considerados graves, principalmente suas funções GPS, que poderiam ser usados por criminosos, para acessar a localização da criança ou ouvir o que ela está falando. Segundo os pesquisadores do órgão, hackers poderiam até enviar falsas coordenadas de GPS para enganar os pais.

Até mesmo as funções de segurança dos aparelhos colocam a vida das crianças em risco: botões de emergência podem ser modificados para enviarem mensagens para aparelhos de bandidos ao invés do celular dos pais.

Tanto autoridades alemães como europeias afirmam que esses aparelhos cheios de problemas de segurança estão "tornando as crianças mais vulneráveis" ao invés de seguras.

Internet das Coisas

No dia 17 de outubro, o FBI publicou uma nota onde afirmava que a proliferação de dispositivos da chamada Internet das Coisas — que devem chegar ao número assustador de 20 a 50 bilhões em 2020, segundo o órgão — poderia facilitar os ataques de criminosos cibernéticos.

"À medida que mais empresas e proprietários usam dispositivos conectados à Internet para aumentar a eficiência, (...) aumenta também as vulnerabilidades para serem exploradas", informa a publicação, que ainda reitera a dificuldade de descobrir quando um dispositivo do tipo foi comprometido, o que exige mais conhecimentos técnicos para fazer tal identificação.

(Fonte: R7)

Tese Macabra

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quarta-feira, 15 de novembro de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Material Encontrado em Buchenwald
Médico nazista analisou as tatuagens de 800 prisioneiros do campo de concentração de Buchenwald segundo sua “raça e nacionalidade”, sua educação e seu “passado criminoso”

Contava o escritor espanhol Jorge Semprún em seu romance La Escritura o La Vida (A escritura ou a vida) que viveu durante dois anos sem ver o próprio rosto, confinado no campo de concentração nazista de Buchenwald, na Alemanha. “Não há espelhos em Buchenwald. Via meu corpo, sua magreza crescente, uma vez por semana, nos chuveiros. Nenhum rosto, sobre esse corpo irrisório.” Cerca de 56.000 pessoas foram assassinadas no sistema de campos de Buchenwald desde sua inauguração, em 1937, até sua liberação, em 1945. Os prisioneiros veteranos sempre se negavam a visitar o médico, não importa o que tivessem. “O habitual era sair da enfermaria para a chaminé do crematório”, resumia o escritor, detido em 1943 como comunista espanhol na Resistência francesa. “Adocicado, insinuante, com odores acres, propriamente nauseabundos. Um cheiro insólito, que era do forno crematório”, recordava.

Naquele campo de concentração, a apenas oito quilômetros de Weimar (também na Alemanha), havia alguém que de fato podia ver o próprio rosto num espelho e que estava obcecado com a pele dos demais. Seu nome: Erich Wagner, um dos médicos de Buchenwald. Tinha nascido em 1912 em Chomutov, uma pequena cidade de mineiros de carvão na atual República Checa. Aos 28 anos, Wagner assinou aquela que é, possivelmente, a tese de doutorado mais perversa da História.

Em 6 de setembro de 1939, o médico ingressou como chefe de assalto nas Waffen-SS, o braço armado do Partido Nazista. Cinco dias antes, a Segunda Guerra Mundial havia começado com a invasão alemã da Polônia. No campo de Buchenwald, já havia cerca de 10.000 judeus desde a Noite dos Cristais – 9 de novembro de 1938 –, quando uma explosão de violência contra os judeus acabou com milhares deles detidos por toda a Alemanha nazista.

Em sua estreia como médico do campo, Wagner aplicou a injeção letal num grupo de ciganos que sofria de uma leve doença contagiosa, como revelam documentos do memorial de Buchenwald. Em 1940, ele deu início à sua “grande obra”: uma tese de doutorado intitulada Sobre o Tema da Tatuagem.

Uma empresa norte-americana de colecionismo de material nazista, a USM Books, sediada em Rapid City (Dakota do Sul), coloca agora à venda, por 995 dólares (cerca de 3.300 reais) um exemplar original daquele trabalho macabro. A tese, de 51 páginas ilustradas com 30 imagens, analisa as tatuagens de 800 pessoas segundo sua “raça e nacionalidade”, sua educação e seu “passado criminoso”. Contém fotos de prisioneiros nus em Buchenwald, de pé e com o olhar perdido, mostrando suas tatuagens de mulheres sem roupa, desenhos de pênis, soldados a cavalo e ícones da época, como o já célebre Mickey Mouse, criado por Walt Disney em 1928.

Após a liberação de Buchenwald, em 11 de abril de 1945, um dos prisioneiros sobreviventes, o engenheiro químico austríaco Gustav Wegerer, recordaria: “O doutor Wagner, médico da SS, trabalhou numa tese de doutorado sobre as tatuagens. Surpreendentemente, todos os prisioneiros que ordenou comparecer à sua consulta morreram. E suas tatuagens foram arrancadas. Não é exagerado assumir que foram liquidados por ele no edifício do hospital.”

Quando Semprún saiu vivo de Buchenwald e começou a falar com um jovem oficial francês do exército aliado, iniciou seu relato com algo desconcertante: as sessões de cinema organizadas pelos chefes da SS nas tardes de domingo. Num alojamento ao lado da enfermaria de Wagner, os presos viam comédias musicais de cinema mudo, contava o escritor espanhol como resumo de seus dois anos no inferno, sem mencionar os cadáveres que saíam pela chaminé. O militar francês não entendia nada. “Qualquer pessoa poderia ter narrado a ele o crematório, os mortos por esgotamento, os enforcamentos públicos, a agonia dos judeus no ‘Campo Pequeno’, o interesse de Ilse Koch pelas tatuagens na pele dos deportados”, recordava, satisfeito, Semprún.

O espanhol publicou La Escritura o La Vida em 1995, meio século depois de sua libertação do campo de concentração nazista, mas se lembrava perfeitamente de Ilse Koch, a chamada Bruxa de Buchenwald. Era casada com o comandante do campo, Karl Otto Koch, e após a guerra foi acusada de ter arrancado a pele tatuada dos prisioneiros para fazer lâmpadas com as quais decorou sua casa. As acusações nunca foram comprovadas.

Das supostas lâmpadas de pele humana de Ilse Koch só restam fotografias, mas o tétrico livro de Wagner chegou aos nossos dias. Outro exemplar está guardado na biblioteca da Universidade Friedrich Schiller de Jena (Alemanha), onde o médico nazista apresentou sua tese, vinculando as tatuagens à criminalidade sem nenhum método científico.

O dermatologista alemão Peter Elsner analisa recentemente a obra de Wagner numa revista especializada alemã. Segundo Elsner, inclusive “a autoria científica da tese é questionável”. Em 1957, diz ele, outro prisioneiro de Buchenwald, o escritor e médico Paul Grüwald, declarou que foi ele mesmo quem elaborou o questionário, interrogou os 800 presos, reuniu os dados e redigiu a tese de Wagner. O nazista, enquanto isso, dava algumas indicações e, sobretudo, “garantia que as tatuagens especialmente bonitas fossem fotografadas no departamento de fotografia”, segundo o testemunho de Grünwald. A tese de doutorado mais perversa da História é, portanto, plagiada.

Erich Wagner foi preso pelo Exército norte-americano em 1945, mas escapou em 1948. Durante anos, conseguiu viver na Baviera e na Floresta Negra com nome falso – até ser detido de novo em 1958. Em 22 de março de 1959 se suicidou, sem esperar seu julgamento. A banca que julgou sua tese na Universidade de Jena qualificou-a como “muito boa”.

(Fonte: El País)

Terrorismo Doméstico

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quinta-feira, 12 de outubro de 2017 Marcadores: 0 comentários

A mensagem de e-mail recebida por várias redes de supermercados, organizações de defesa do consumidor e polícia era simples e precisa. O autor da mensagem ameaçava envenenar comida para bebês e outros alimentos nas lojas nacionais ou estrangeiras das redes de supermercados Lidl, Aldi, Müller, Edeka, Norma e Rewe e das farmácias Rossmann e DM se não recebesse 10 milhões de euros (cerca de 37 milhões de reais).

A ameaça se tornou uma perigosa realidade. A polícia encontrou cinco frascos de alimentos para bebês em vários supermercados da cidade de Friedrichshafen (na fronteira com a Suíça e com a Áustria) contaminados com etilenoglicol, substância incolor e com sabor levemente doce que pode provocar sérios danos à saúde humana.

Após ler o e-mail a polícia começou um silencioso trabalho para descobrir os frascos contaminados sem provocar alarme na população. Em vários supermercados esvaziaram as gôndolas e submeteram os frascos a testes em laboratório. O resultado foi positivo, fato que convenceu a Promotoria a pôr em marcha uma operação que está provocando inquietação no país: pediu a colaboração da população para descobrir o autor, ou os autores, da chantagem criminosa.

Para facilitar a captura, a polícia divulgou um vídeo no qual se pode ver um homem de cerca de 50 anos, alto, magro, vestido com um casaco preto de couro, calças pretas, sapatos esportivos pretos e um gorro azul. “O suspeito estava de lentes, talvez para se disfarçar”, afirmou Uwe Stürmer, vice-presidente da polícia de Constança, ao divulgar as imagens do até agora principal suspeito da chantagem. “Trata-se de criminosos inescrupulosos, e levamos muito a sério esta ameaça.”

O nervosismo da população, especialmente no Estado federado de Baden-Wurtemberg, aumentou quando um porta-voz da polícia admitiu que chantagista também ameaçara envenenar outros 20 produtos alimentícios. “Não há motivo para se alastrar histeria ou pânico”, disse o porta-voz, que, sem querer, aumentou a apreensão das pessoas ao dizer que a cada compra de frascos de alimentos seria preciso checar se o pote não tinha sido manipulado.

“É preciso comprovar, ao abrir um pote, que se produziu o ruído típico que mostra que o pote estava selado a vácuo”, afirmou.

Até sexta-feira a polícia tinha recebido 650 chamadas telefônicas relacionadas às imagens do “suspeito”, mas não houve anúncio de prisão do chantagista, que pede 10 milhões de euros. Na imagem, o suspeito.

(Fonte: El País)

Condenação: Leitura!

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 1 de outubro de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Um tribunal de Munique condenou um auxiliar de depósito de 19 anos a 20 horas de leitura porque a placa de sua motocicleta não estava perfeitamente visível. A condenação aconteceu em junho, comunicou o tribunal.

Segundo o tribunal, o auxiliar de depósito admitiu a sua culpa. O incidente aconteceu em fevereiro deste ano e, por se tratar de reincidência, a juíza de menores responsável pela sentença concluiu que o acusado "obviamente não aprendeu nada" com o primeiro incidente, "exatamente o mesmo ato e com a mesma motocicleta".

Por meio de uma instrução de leitura, o jovem réu deverá agora ser "motivado a se ocupar em nível intelectual com o seu ato", informou o tribunal, acrescentando que não há necessidade de outras medidas educacionais para o acusado.

Segundo o comunicado, a medida educativa será realizada na Universidade de Munique. Numa primeira conversa, o jovem deverá escolher, entre uma série de sugestões, os livros que mais combinam com seus interesses e sua vida. Posteriormente, em entrevistas, ele falará sobre aquilo que leu, também em relação com a própria vida.

A medida se encerra com um trabalho em que o conteúdo da leitura e das discussões são "trabalhados em diversas formas criativas, como, por exemplo, contos, cartazes ou raps".

(Fonte: Folha)

Proibição de Site

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 24 de setembro de 2017 Marcadores: , 0 comentários

O Ministério do Interior da Alemanha ordenou o fechamento de um site de extrema esquerda cujos textos faziam apologia ao crime. Segundo reportagem da revista Der Spiegel, no site linksunten.indymedia.org, agora fora do ar, era possível ler frases como esta: “Convocamos à realização de sabotagem de todos os tipos de equipamentos militares e de toda a produção para militares.”

Alguns frequentadores do site também admitiam, em postagens, ter cometido crimes como incendiar carros de polícia, depredar agências bancárias e espancar neonazistas. A polícia alemã fez buscas em quatro apartamentos, dois carros e um centro cultural autônomo na cidade de Freiburg, no sul do país.

A advogada de um dos responsáveis pelo site disse que a ação era uma violação dos direitos do seu cliente, e uma violação das liberdades de imprensa e de expressão. A organização Repórteres sem Fronteiras também considerou a medida um ataque à liberdade de imprensa.

O governo alemão já proibiu, no ano passado, um site de neonazista por motivos semelhantes. Na Alemanha, as leis proíbem a propaganda e os símbolos nazistas.

O histórico de violência de extrema direita no país é conhecido, mas a extrema esquerda também já fez das suas. Nas décadas de 70 e 80, grupos terroristas de esquerda como a Fração do Exército Vermelho realizaram sequestros, assaltos a banco, assassinatos e atentados a bomba. 

Em julho deste ano, grupos radicais de esquerda realizaram protestos violentos em Hamburgo, durante um encontro do G20, reunião dos 20 países mais ricos do mundo.

A decisão está sendo criticada porque os textos que mais incitam à violência no site foram escritos por frequentadores do site, e não por sua equipe. Se esse critério fosse usado no Brasil, vários sites dirigidos aos públicos radicais de esquerda e direita teriam de ser fechados.

(Fonte: Der Speigel)

Museus e Memória

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 10 de setembro de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

“Museus e suas memórias” é tema Nacional da 11ª Primavera dos Museus. Evento em Nova Petrópolis, RS, contará com exposição da história do Museu e do Arquivo Histórico Municipal, de 18 a 30 de setembro.

Nova Petrópolis irá exibir a história do Museu Histórico Municipal e do Arquivo Histórico Municipal de 18 a 30 de setembro. A exposição é a principal atração da 11ª Primavera dos Museus que, em 2017, é baseada no tema Nacional “Museus e suas memórias”. Visite o museu, registre e compartilhe nas redes sociais utilizando a hashtag #primaveramuseus2017.

“O tema da 11ª edição do evento foi sugerido pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) para que as instituições museológicas resgatem e conheçam suas histórias e compartilhem com o público. Em Nova Petrópolis, vamos contar a história do museu e do arquivo, as ações desenvolvidas e os colaboradores, desde a fundação do prédio até os dias atuais”, explica a diretora do Núcleo do Museu Histórico Municipal de Nova Petrópolis, Rejane Scheid.

Originalmente o prédio que hoje abriga o Museu foi construído em meados de 1870 ao lado da atual Rua Coberta e, inicialmente, era a casa do médico, Carl Wissmann. O prédio foi reconstruído no Parque Aldeia do Imigrante em 1990 e inaugurado como Museu Histórico Municipal em julho de 2002. O prédio do Arquivo Histórico Municipal, localizado na atual Biblioteca Pública Municipal Profª. Elsa Hofstätter da Silva, foi fundado em 1936 como um colégio evangélico, depois se tornou um hospital e hoje é sede do Departamento Municipal de Cultura e da biblioteca.

O Museu Histórico Municipal está aberto diariamente, das 8h às 17h, e está localizado na Aldeia Histórica dentro do Parque Aldeia do Imigrante e o Arquivo Histórico Municipal está aberto de segunda a sexta-feira, das 13h30min às 17h, e quarta e sexta-feira, das 7h30min às 12h. O ingresso no Parque Aldeia do Imigrante custa R$ 5,00. Crianças até seis anos e munícipes estão isentos; estudantes, crianças de sete a 11 anos e idosos pagam meia entrada, com comprovante. A visitação do arquivo e a entrada no museu são francas. Mais informações pelo fone (54) 3281-1222 ou 3281-4064.

As atividades alusivas a 11ª Primavera dos Museus são promovidas pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto, por meio do Departamento de Cultura. A exposição do evento ocorre em parceria entre o Museu Histórico Municipal e o Arquivo Histórico Municipal.

(Fonte: Kassandra Bertóglio Dorneles | Marcelo Moura | Adriana Monteiro Arrial)

Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Nova Petrópolis - RS
Jardim da Serra Gaúcha | Capital Nacional do Cooperativismo
(54) 3281 8412 | (54) 3281 8410 | (54) 996 920 563 | (54) 999 433 225

Site: www.novapetropolis.rs.gov.br | Facebook: @novapetropolisrs

Bomba em Frankfurt

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 3 de setembro de 2017 Marcadores: , 0 comentários

A polícia da Alemanha está evacuando uma parte da cidade de Frankfurt após uma bomba da Segunda Guerra Mundial ter sido encontrada durante as escavações de uma construção. Esta é a maior evacuação já feita por causa de explosivos desde a guerra.

Mais de 60 mil residentes estão sendo retirados de uma parte nobre da cidade — onde fica, inclusive, a sede do Bundesbank — para que as autoridades se preparem para retirar a bomba, processo que deve ser feito neste domingo. A bomba foi encontrada numa construção perto da universidade de Goethe, no início da semana.

O chefe do departamento de incêndio de Frankfurt, Reinhard Ries , disse na sexta-feira que as autoridades acreditam que se trata de uma bomba HC 4000, o tipo de explosivo usado pela força aérea britânica na região durante a guerra — elas também são conhecidas como bombas “blockbuster”.

Diante da enorme quantidade de bombas que foram enviadas para a Alemanha durante a guerra contra o regime nazista de Adolf Hitler, a descoberta de munições ainda não detonadas não é algo fora do normal. Entretanto, o tamanho desta bomba deixou autoridades preocupadas. Caso ela seja ativada, isso poderia destruir um quarteirão inteiro da cidade e danificar uma área muito maior.

“Essa bomba tem mais de 1,4 toneladas de explosivos”, disse Ries. “Não são apenas os fragmentos que representam problema, mas toda a pressão que ela libera e que pode derrubar prédios em um raio de 100 metros.”

(Fonte: Folha e Estadão Conteúdo)

Merkel Novamente

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 27 de agosto de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Próximas as eleições na Alemanha, que acontecem em 24 de setembro, tudo indica que a premiê Angela Merkel será facilmente reeleita para seu quarto mandato. “Não há desejo de mudança. Os alemães estão muito bem para desenvolver qualquer insatisfação real com o governo”, afirmou esta semana em um editorial o jornal Die Welt.

A chanceler, que até o dia do pleito viajará por 50 cidades, entende o cenário e – fiel a sua reputação conservadora – não corre riscos desnecessários, evita as promessas detalhadas e se apresenta como a fiadora da estabilidade em um mundo de crises, após os choques eleitorais do Brexit e de Donald Trump.

Merkel garante que, apesar de estar há doze anos no cargo, sua motivação permanece intacta: “Estou totalmente concentrada para vencer, para que a União Democrata-Cristã (CDU) vença”, diz.

As pesquisas mais recentes apontam a vitória folgada da primeira-ministra, cujo partido, a CDU, possuiu entre 38% e 40% das intenções de voto. Os social-democratas (SPD) de Martin Schulz ficam bem atrás, com 22% a 25% das intenções, números que têm se mantido estáveis e são muito similares aos das últimas eleições.

Para Schulz, que afirma que lutará “até o último minuto”, no entanto, ainda é possível mudar o cenário. E uma pesquisa do instituto Allensbach pode ser um sinal de esperança: de acordo com a sondagem, 46% dos entrevistados se declararam indecisos, sete pontos a mais que na mesma época em 2013.

“Ao contrário do que Merkel afirma, sempre há alternativa”, disse Schulz na terça-feira durante um comício na região norte do país. Do outro lado, a chanceler sequer pronuncia o nome do adversário.
Schulz sonha com a vitória

O SPD, hoje aliado da CDU na “GroKo” (grande coalizão) que governa o país, sonha com uma vitória e denuncia as desigualdades sociais. O partido aposta no carisma de Schulz, considerado uma figura mais humana que Merkel. “Martin Schulz é direto com as pessoas, tem uma posição clara, uma linguagem clara, um rumo claro” afirmou o líder dos deputados do SPD, Thomas Oppermann.

“Começamos a virada, o SPD deseja alcançar mais de 30% e com Martin Schulz vamos conseguir”, disse Oppermann. Mas os social-democratas enfrentam um dilema: como se diferenciar da chanceler com a qual estão governando em aliança, sem renegar o balanço econômico positivo?

Para deixar a situação do partido ainda mais complicada, o SPD não pode contestar nada sobre os aspectos mais polêmicos do atual mandato de Merkel. O partido era favorável a receber mais de um milhão de refugiados desde 2015. Além disso, os social-democratas também estão envolvidos no escândalo das emissões poluentes dos automóveis.

“A Alemanha vai bem quando o SPD participa do governo, mas a Alemanha pode ir melhor com um chanceler social-democrata”, afirmou Schulz, que é ex-presidente do Parlamento europeu.

(Fonte: Die Welt/Veja)

Fim do Ar Puro

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 13 de agosto de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

A demanda por oxigênio nunca foi tão grande – principalmente na China. No país onde anualmente um milhão de pessoas morrem em consequência da poluição atmosférica, moradores estão cada vez mais importando ar: ao preço médio de 20 dólares por garrafa.

O ar vem das montanhas de diferentes países, como o Canadá. Moses Lam, cofundador da Vitality Air, baseada em Edmonton, se diz estar surpreso com o sucesso. Em entrevista à emissora CBC, ele admite que tudo começou com uma brincadeira. Mas, após vender a primeira leva de centenas de garrafas em quatro dias, ele resolveu profissionalizar o negócio

Atualmente, Vitality Air dispõe de escritórios não somente na China, mas também na Índia, Coreia do Sul e Vietnã. A cada duas semanas, 20 funcionários coletam centenas de milhares de litros de ar nas Montanhas Rochosas canadenses. "Ar do Parque Nacional de Banff, o mais antigo do Canadá, é um sucesso", conta Lam.

A fabricação, no entanto, é complicada, pois o ar atmosférico é composto por somente cerca de 20% de oxigênio puro. Ele precisa ser então comprimido e limpo. Além disso, a preciosa mercadoria não possui validade ilimitada. "Por esse motivo, as garrafas devem ser usadas dentro de um a dois anos", recomenda o vendedor de ar.

Desde novembro de 2015, a empresa Green & Clean engarrafa a partir de Sydney ar australiano – das Montanhas Blue ou da Grande Barreira de Corais. Encomendas mínimas de 4 mil garrafas asseguram à firma um faturamento em dólares na casa dos seis dígitos. Os principais clientes vêm de toda a região asiática.

Ar como suvenir

Para algumas pessoas, o ar ou, mais acertadamente, o oxigênio em cilindro é vital: o setor de saúde precisa dele tanto de forma ambulatorial quanto em hospitais ou nos cuidados em casa.

Entre os principais produtores e fornecedores mundiais de oxigênio estão duas empresas alemãs: o grupo Linde em Munique e a firma Air Products de Hattingen, no estado da Renânia do Norte-Vestfália.

A Air Products foi fundada nos EUA já nos anos 1940 e hoje está presente em 50 países. O grupo Linde é ainda maior. A companhia fundada em 1880 pelo inventor do refrigerador, Carl von Linde, está representada atualmente em cerca de cem países. No ano fiscal de 2016, seu faturamento com os negócios de gás chegou a 3,74 bilhões de euros (cerca de 13,7 bilhões de reais).

Há também o ar em garrafinhas, que enfeitam, possivelmente, as prateleiras de compradores e presenteados: elas são lembranças de férias. Até hoje, relógios cuco fazem o maior sucesso como recordação da Floresta Negra. Mas agora, Elke Ott quer oferecer um contraponto a essa tradição, vendendo ar dessa região alemã. Não em garrafas, mas em latas. Já o empresário Stefan Butz, da cidade de Bad Kreuznach, prefere garrafas cristalinas para engarrafar ar de salinas do estado do Sarre.

Uma tentativa semelhante já houve por ocasião da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha. Na época, havia o "Ar de Berlim Original". A presunçosa piada ocupou até os burocratas da União Europeia (UE) em Bruxelas. A acusação da UE era que mais de 30% das latas apresentavam elevados níveis de partículas finas. Mesmo assim, a UE não proibiu a venda.

Além de artigo de brincadeira, o ar engarrafado também pode ser usado no ativismo político por mais proteção ambiental: em 2012, o milionário e filantropo Chen Guangbiao vendeu nas ruas garrafas com ar de regiões rurais.

Pesquisadores procuram alternativas para o caso de que o oxigênio no ar não seja mais suficiente para respirar. A proposta deles é restringir o consumo.  Eles se baseiam nas conclusões do Centro de Medicina Molecular Max Delbrück de Berlim, membro da Associação Helmholtz.

Os cientistas descobriram que, em suas cavernas subterrâneas, os ratos-toupeira podem suportar por muito mais tempo o ar abafado. Nos experimentos, eles sobreviveram cinco horas ao ingerir frutose de raízes. Além disso, eles reduziram seu pulso de 200 a 50 batimentos por minuto. Se esses roedores podem servir de exemplo para os humanos está em investigação.

(Fonte: DW)

Turistas Detidos

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 6 de agosto de 2017 Marcadores: 0 comentários

Turistas chineses detidos em Berlim por fazerem saudação nazi. A Alemanha possui leis rigorosas sobre o discurso do ódio e símbolos ligados a Hitler e aos nazis.

A polícia alemã deteve este sábado dois turistas chineses por fazerem saudações nazis em frente ao histórico edifício do Reichstag, que abriga o parlamento alemão.

A polícia deteve os dois homens, com 36 e 49 anos, depois de terem sido vistos a fazerem a saudação nazi enquanto tiravam fotografias.

Os dois foram acusados de "usar símbolos de organizações ilegais", informou a polícia em comunicado, e foram libertados depois de pagarem uma fiança de 500 euros.

(Fonte: DN)

Bicicletas em Berlim

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 30 de julho de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Checkpoint Berlim: Bicicletas e transporte público como prioridade.  Para combater o aquecimento global, Berlim propõe diminuir número de carros em novo plano de mobilidade urbana. Entre as medidas sugeridas, estão a ampliação de ciclovias e a criação de uma via expressa para ciclistas.

Andar de bicicleta nem sempre é fácil e tranquilo em Berlim. Já falei sobre minha experiência num texto anterior, no qual citei a iniciativa que tentava promover um referendo para obrigar a prefeitura a adotar uma legislação específica para as bicicletas. Com a eleição do novo governo local no ano passado, a coalizão – formada pelos Partido Social Democrata (SPD), Partido Verde e A Esquerda – se comprometeu a estudar o projeto e a integrá-lo no seu plano de mobilidade urbana.

Depois de nove meses, o governo finalmente apresentou, no final da semana passado, o tão esperado plano que deve guiar as diretrizes de políticas públicas neste setor nos próximos anos, ao ser aprovado como lei. A proposta foca exclusivamente no transporte público e nas bicicletas, que devem ter prioridade no futuro.
Clarissa Neher

Entre as medidas estão a expansão das ciclovias na cidade; a criação de 100 quilômetros de via expressa exclusiva para ciclistas; o aumento no número de estacionamentos para bicicletas; além da criação de vias exclusivas para ônibus e a adaptação de toda a rede de transporte público para torná-la completamente acessível a pessoas com dificuldades de locomoção.

Nem bem o plano foi lançado, já recebeu diversas críticas. Parlamentares da União Democrata Cristã (CDU) criticaram o projeto por ele focar "apenas" no transporte público e em ciclistas e afirmaram que a medida irá reduzir o espaço de usuários de outros meios de transporte na cidade. A ampliação da rede de ciclovias requer, por exemplo, a redução no número de vagas de estacionamento para carros.

Na minha percepção, a crítica é vazia. Durante décadas, projetos de mobilidade urbana priorizaram somente os carros. O transporte público vinha em segundo plano, e a bicicleta era vista apenas como um objeto de lazer. Berlim é uma cidade concebida para os automóveis. Chegou a hora de olhar para os usuários dos outros meios de transporte, e é isso que o governo está fazendo. Pela primeira vez, é dada prioridade a esses grupos.

Outro aspecto importante: esse plano não foi feito para punir motoristas, como alguns críticos tentam vendê-lo, mas tem um objetivo maior: reduzir a poluição e as emissões de gases que causam o aquecimento global pela queima de combustíveis fósseis que impulsionam os carros.

Até 2050, Berlim deseja alcançar a neutralização do carbono, ou seja, conseguir evitar e compensar todas as suas emissões de CO2. Para isso, a cidade precisa diminuir o número de automóveis em circulação, e isso só será alcançado se a população tiver alternativas eficientes de locomoção.

A proposta do plano de mobilidade urbana deve ser votada ainda neste ano, e o governo espera que a nova legislação entre em vigor já no início de 2018.

(Fonte: DW, Clarissa Neher)

Economia de Energia

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quinta-feira, 20 de julho de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Um programa de televisão chamou a atenção de Karsten Kaddat, um jovem eletricista do norte da Alemanha, no ano passado. Explicava que qualquer pessoa podia conseguir energia verde de graça para consumir em casa. Intrigado, Kaddat correu para o Google e acabou se somando à comunidade em que milhares de alemães compartilham a energia que produzem em suas casas com painéis solares. Quando acaba a eletricidade armazenada em suas baterias, o usuário retira da bolsa comum onde o restante cede o que sobra de sua produção. Desde janeiro deste ano a conta de eletricidade da família Kaddat é zero. “Quando conto a meus companheiros de trabalho que não pagamos nada pela eletricidade, ficam com a boca aberta”, ri Kaddat, com café na mão, em seu chalé perto da fronteira com a Polônia.

A comunidade energética de Kaddat é a prova de que a economia colaborativa alcançou o setor de energia elétrica, mas também que a digitalização e descentralização da energia são fenômenos imparáveis, ao menos na Alemanha. Converter os consumidores em produtores e provedores de energia e conectá-los para que compartilhem a energia é algo como o Uber do setor elétrico, segundo a Sonnen, empresa que deu à luz a invenção que começa a se repetir em países como Austrália e Itália.

“Estamos em plena revolução. Nesse país temos mais de um milhão e meio de produtores privados de energia solar. Não param de surgir iniciativas de energia cidadã, enquanto as plataformas digitais para trocar quilowatts abrem possibilidades que eram impensáveis até muito pouco tempo”, afirma Jens Weinmann, especialista em setor energético da escola de negócios ESMT de Berlim e autor de The Descentralizes Energy Revolution in Germany (A revolução descentralizada da energia). Weinmann fala sobre como cada vez mais alemães se sentem orgulhosos de produzirem sua própria eletricidade e sobre como proliferam as cooperativas energéticas.

Cerca de 6.000 pessoas espalhadas por toda a Alemanha fazem parte da comunidade a que Kaddat pertence e que lhe permite desfrutar de eletricidade grátis durante o ano todo. Antes, no entanto, devem fazer um investimento inicial: 3.600 euros (13.400 reais) por bateria, além dos painéis solares. Em troca, Kaddat, por exemplo, economiza cerca de 1.500 euros por ano na conta de luz. O jovem eletricista pega o celular e abre um aplicativo com o qual controla o consumo de sua casa. Nele pode ver quanto usa de seus próprios painéis e quanto da comunidade, quanto está gastando e qual é a previsão do tempo para os próximos sete dias, e, portanto, quando irá produzir. Ele tem o controle sobre o que produz e o que consome.

(Fonte: El País)

Mutirão de Hamburgo

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado segunda-feira, 10 de julho de 2017 Marcadores: , 0 comentários


Milhares de moradores de Hamburgo se reuniram neste domingo (09/07) em Schanzenviertel, no popular bairro de St. Pauli, para limpar a cidade depois dos protestos violentos do fim de semana em decorrência da cúpula do G20. Munidos de luvas, baldes e vassouras, participantes recolheram ao longo da tarde lixo, pedras e cacos de vidro das ruas.

Convocado pelo Facebook, o evento "Hamburg räumt auf!" ("Hamburgo arruma") contabilizou mais de 8 mil participantes através da rede social, mas a polícia chegou a calcular cerca de 10 mil presentes no local.

"Nós mostramos a todos como Hamburgo realmente é", escreveu na página Rebecca Lunderup, uma das organizadoras do ato. "Foi um enorme e incrível senso de coesão e de energia positiva que foram sentidos em todos os lugares onde vocês estiveram hoje", completou

A participação veio de diversos setores da sociedade: uma cadeia de utensílios de construção doou material de limpeza, uma padaria distribuiu pães, um restaurante contribuiu com hambúrgueres, e uma rede de supermercados doou água.

"Nós mostramos solidariedade com nossos vizinhos", disse Thorben Harms, morador do bairro de Barmbek. Mohamed e Walaa, refugiados da Síria, também participaram da ação: "Queremos fazer algo pela cidade de Hamburgo [como gratidão pelo acolhimento na cidade]".

Durante o encontro internacional, Hamburgo registrou confrontos, saques a lojas e danos ao patrimônio, em um episódio que chegou a ser descrito por moradores como cenas de "guerra civil". De acordo com os cálculos das equipes de segurança, 476 policiais foram feridos. Também houve 186 detenções e 37 mandados de prisão. Não foi informado o número de manifestantes feridos.

(Fonte: DW/IP/dpa/epd/ots)

Dual Humbold Premiada

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 2 de julho de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

No dia 1º de junho, a Formação Profissional Dual Humboldt recebeu, pelo empenho nessa área, o prêmio de 3º lugar na competição ”Beruf macht Schule”, concedido pelo Ministério do Exterior Alemão.

O prêmio de 2500 € foi entregue à escola profissional por causa de seu conceito como um todo.

“Alunas e alunos são atraídos, desde cedo, pela formação profissional, assistidos de forma intensiva durante a formação e, em seguida, acompanhados por meio de ofertas ‘Alumni’. São realizados, já no período escolar, feiras e estágios profissionais e, durante a formação, é oferecido um programa de intercâmbio em parceria com a Berufsschule Bonn-Duisburg, na Alemanha, que inclui visitas a universidades e estágios”, diz a justificação do júri.

A German Business School Madrid recebeu o prêmio de 1º lugar, e o 2º lugar foi conquistado pela DSD Profiliertes Fremdsprachengymnasium “Exarch Iossiv I”, em Lovech, na Bulgária.

Uma delegação do Colégio Humboldt recebeu o prêmio das mãos de Ulla Schmidt, vice-presidente do congresso alemão, e Walter Lindner, secretário de estado do Ministério do Exterior. Walter Lindner enfatizou, em seu discurso de saudações, sua convicção de que “uma escola no exterior aumenta sua atratividade empenhando-se na criação de boas oportunidades profissionais.”

Casamento Igualitário

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 25 de junho de 2017 Marcadores: , 0 comentários

O plenário do Parlamento Federal alemão aprovou a legalização do casamento entre homossexuais. O projeto foi impulsionado pelos sociais-democrata (SPD) – rompendo o acordo de coalizão com os conservadores da chanceler Angela Merkel –, numa inédita aliança com os Verdes, a Esquerda e o bloco democrata-cristão. A iniciativa, a três meses das eleições gerais, recebeu o aval de 393 deputados. A chanceler (primeira-ministra) Merkel, o líder da bancada democrata-cristã, Wolfgan Kauder, e outros 224 parlamentares conservadores votaram contra o projeto, que concede aos casais do mesmo sexo direitos iguais aos casais heterossexuais, incluindo o direito de adotar filhos. Espera-se que a lei entre em vigor ainda neste ano, fazendo da Alemanha o 24º país do mundo a legalizar o casamento igualitário – que já é uma realidade em nações como o Brasil e os Estados Unidos. Na Europa ainda há vários Estados onde essa opção continua inacessível, como Áustria, Itália e Grécia e algumas nações do Leste Europeu.

O debate sobre o casamento gay ganhou força na Alemanha depois de uma mudança na postura de Merkel sobre o assunto, e tendo o cenário pré-eleitoral como pano de fundo. Durante um evento organizado pela revista feminina Brigitte, nesta segunda-feira, a chanceler causou surpresa ao se distanciar do “não” taxativo do seu bloco partidário CDU/CSU ao casamento gay, uma posição ao qual os eleitores já haviam se acostumado. Em vez disso, ela se declarou aberta a um “voto de consciência” dos deputados. Desde 2001, a Alemanha já permitia uniões civis de pessoas do mesmo sexo, mas sem plena igualdade jurídica e direitos, como a adoção.

No domingo, em seu Congresso extraordinário, o SPD havia qualificado a legalização do matrimônio igualitário como uma condição imprescindível para reeditar sua aliança com os democratas-cristãos de Merkel depois das eleições legislativas de setembro. Além disso, os Verdes e o partido A Esquerda perseguiam há anos a aprovação de um projeto de matrimônio igualitário – algo a que o bloco CDU/CSU sempre se resistiu, e que o SPD tinha deixado de lado para não provocar uma crise no Governo de coalizão. Na terça-feira, o líder do SPD e candidato a chanceler Martin Schulz pediu a palavra a Merkel e solicitou que o casamento igualitário fosse votado imediatamente. Três dias depois, acabou sendo legalizado.

“Para mim, o matrimônio é, segundo nossa Constituição, uma união entre um homem e uma mulher, por isso votei contra o projeto de lei”, afirmou Merkel – que também ocupa uma vaga parlamentar – à imprensa depois da votação. De fato, é assim que consta na Carta Magna alemã, e isso pode servir de justificativa a parte da bancada conservadora para entrar com recurso no Tribunal Constitucional. Entretanto, a chanceler comentou que havia mudado de opinião sobre a adoção por casais do mesmo sexo, à qual antes se opunha, em nome do “bem-estar” dos menores. “Espero que a votação de hoje não só promova o respeito a opiniões diversas como também traga uma maior coesão social e paz”, acrescentou.

As entidades de direitos civis comemoraram a decisão da Alemanha de aprovar o casamento homossexual, ainda que tardiamente – até a católica Irlanda já deu esse passo, há dois anos. Dezenas de pessoas saíram às ruas em Berlim para celebrar o dia histórico. Com bandeiras do arco-íris – ou guarda-chuvas com essas cores, por causa do mau tempo –, um bom número delas se concentrou diante da sede de Governo. Conny e Ramona, que vivem juntas há um ano e meio, também participaram da festa. “Estamos felizes por podermos nos casar, e tudo isto é possível graças ao trabalho que os Verdes fizeram”, comemorava Conny, de 33 anos, especialista em finanças numa empresa de segurança, coberta com a bandeira multicolorida do movimento LGTB+. “Angela Merkel é uma pessoa muito inteligente, e ainda não entendo por que se opõe ao casamento igualitário. Mas é em parte graças a ela que o Bundestag [Câmara de Deputados] o aprovou. Este é um grande dia para a comunidade gay da Alemanha”, disse, feliz por poder finalmente se casar com a companheira Ramona, de 28 anos, uma assistente social que será mãe dentro de cinco meses.

“Após anos de espera e esperanças, as famílias arco-íris na Alemanha receberão agora o mesmo reconhecimento perante a lei. Este é um marco histórico que inspirará ainda mais mudanças para as pessoas LGTB+”, declarou Evelyne Paradis, diretora executiva do ILGA, que agrupa entidades do mundo inteiro. “Isto foi o resultado de anos de persistência, e agora é o momento da Alemanha. O matrimônio igualitário não é o destino final. As pessoas LGBT e suas famílias precisam se sentir seguras e apoiadas em todas as facetas de suas vidas, dentro dos cartórios de registro civil, mas também fora”, acrescentou.

Em pleno 2017, as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo ainda são ilegais em pelo menos 72 países – na maioria deles, a restrição vale apenas para homens, mas em 45 abrange também as lésbicas. Além disso, em 12 dessas nações (ou em partes de seu território) as práticas homossexuais podem ser castigadas com a pena de morte, segundo um relatório da Associação ILGA publicado na segunda-feira. Quatro países – Arábia Saudita, Irã, Iêmen e Sudão –, parte da Somália e 12 Estados da Nigéria preveem a pena capital para essas relações. Agentes não estatais (principalmente o Estado Islâmico) aplicam-na também no Iraque e na Síria. Finalmente, Qatar, Mauritânia, Paquistão e Emirados Árabes Unidos mantêm a possibilidade de aplicá-la, embora não haja indícios de execuções nos últimos anos por causa de relações consensuais em ambiente privado.

(Fonte: Enrique Müller / DW)

Carros Elétricos

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 18 de junho de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

Faz um ano que o governo alemão introduziu um assim chamado bônus ambiental para fomentar a compra de carros movidos a eletricidade. A iniciativa visava ajudar a alcançar até o ano 2020 a meta de 1 milhão de veículos elétricos circulando nas ruas do país.

Ao que tudo indica, essa meta permanecerá no campo dos sonhos. Em janeiro de 2017, cerca de dois terços dos mais de 45 milhões de carros do país eram movidos a gasolina, e quase um terço, a diesel. Dos restantes 165 mil são híbridos, e apenas 34 mil, elétricos.

O motivo principal para esse cenário é que, apesar do bônus ambiental, quem considere adquirir veículos elétricos na Alemanha logo esbarra numa série de argumentos em contrário. Por um lado, eles são bem mais caros do que os convencionais, e o subsídio estatal apenas reduz essa diferença, mas não a cobre.

Por outro lado, a autonomia limitada dos automóveis elétricos também espanta grande parte dos potenciais compradores. O número de estações de abastecimento continua sendo insuficiente. Uma boa notícia é que, no fim de abril, representantes da indústria automotiva e de Berlim decidiram investir 300 bilhões na expansão da infraestrutura de recarga até 2020.

O ministro dos Transportes, Alexander Dobrindt, calcula que essa soma proporcionará 15 mil novos pontos de abastecimento. Isso parece muito, mas a Federação da Indústria de Energia e Água calcula que a demanda total será de 70 mil estações públicas de recarga, além de 7.100 de recarga rápida. Em meados de 2017, a federação registrava apenas 6.500 estações em todo o país, das quais 230 de recarga rápida.

Milhões de euros à espera

O governo alemão estava disposto a investir seriamente no setor, tendo reservado 600 milhões de euros para os bônus. Mas até o início do ano corrente, só haviam sido apresentados 11.652 requerimentos para carros inteiramente movidos a eletricidade e 8.972 para híbridos plug-in. Isso significa que nos cofres dos bônus ambientais ainda restam mais de 560 milhões de euros, que seguem disponíveis até 30 de junho de 2019.

Assim, a iniciativa governamental pela eletromobilidade não repete a história de sucesso do "bônus de sucateamento", introduzido em 2009 como estratégia de combate à recessão. Na época, chegaram a ser apresentadas por semana 40 mil solicitações para o subsídio que premiava a troca de um veículo antigo por um moderno e mais ecológico.

Entretanto os que optam pelos elétricos na Alemanha recebem outros benefícios, ficando liberados do imposto sobre veículos nos primeiros cinco anos. Os governos municipais também podem vir a abrir pistas de ônibus para eles, assim como suspender certas interdições de trânsito e criar vagas de estacionamento grátis.
Progressão do contingente mundial de carros elétricos entre 2012 e 2016

Associação automotiva otimista

Apesar de tudo, a Associação Alemã da Indústria Automotiva (VDA) se manifesta otimista quanto ao futuro do setor, apostando que a marca de 1 milhão de veículos em circulação será alcançada pouco depois do prazo original.

E o mercado elétrico cresce mais rapidamente do que o mercado automobilístico global: "Até o ano 2020, a indústria automotiva alemã investirá 40 bilhões de euros em métodos de propulsão alternativos. Até lá, o número dos modelos elétricos triplicará, chegando a cerca de 100."

Quanto ao bônus ambiental, embora até agora tenha sido pouco solicitado, ele estaria impulsionando a eletromobilidade, afirma a VDA. Afinal de contas, a percentagem de elétricos entre os novos carros licenciados na Alemanha dobrou nos primeiros meses de 2017, chegando a 1,2%.

Na Noruega, o sonho se transforma em realidade

Enquanto nas estradas alemãs os veículos não poluidores ainda são uma visão rara, a Noruegaestá muito mais adiantada. O país ostenta a maior concentração mundial de carros elétricos em relação ao número de habitantes: de um total de 2,5 milhões de carros, 110 mil (cerca de 4%) trafegam apenas com eletricidade. Na Alemanha, essa proporção é de apenas 0,07%. Em 2016, quase um terço dos automóveis licenciados no país escandinavo era movido a eletricidade.

Entre os motivos por que os noruegueses vêm conseguindo realizar o sonho dos alemães está o fato de no país ser muito mais barato ter um carro elétrico do que um comum. Veículos convencionais são entre 50% e 100% mais caros do que na Alemanha. Além disso, os elétricos são liberados do IVA de 25% e dos impostos de importação e sobre emissões de CO2. Na Noruega, o E-Golf é o modelo mais barato da série Golf da Volkswagen, por exemplo.

Além disso, os noruegueses não pagam o imposto de registro, que normalmente pode chegar a vários milhares de euros. Em várias cidades os automóveis elétricos também estacionam de graça, além de ter livre acesso a estradas com cobrança de pedágio, pistas de ônibus e travessias de barca.

Também o imposto anual é menor do que o cobrado dos com motor a combustão. E a rede de estações de recarga públicas cresce continuamente: oferecendo abastecimento grátis, elas já são atualmente quase 7.500, devendo chegar a 25 mil até 2020.

China também avança

Também na China, a eletromobilidade avança rapidamente: com 400 mil unidades vendidas só em 2016, o maior mercado automobilístico do mundo também é o maior para veículos elétricos.

"O bônus de compra funciona muito bem na China", aponta Jost Wübbeke, do Mercator Institute for China Studies (Merics). E nas metrópoles como Pequim ou Xangai, os compradores de carros elétricos também conseguem uma das cobiçadas licenças muito mais rápido.

"A ampliação da rede de recarga está bem acelerada, e os órgãos públicos também utilizam muitos veículos elétricos", diz Wübbeke, acrescentando que o sistema de ônibus elétricos chinês é exemplar. No entanto, em 2017 os subsídios já foram reduzidos em relação ao ano anterior, e em 2020 deverão ser inteiramente abolidos.

Bolsa Chanceler Alemã

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 11 de junho de 2017 Marcadores: , 0 comentários

A apresentação oficial da nova edição da Bolsa Chanceler Alemã para futuros líderes do Brasil acontece esse ano em Porto Alegre no dia 19 de junho e em São Paulo no dia 20 de junho. Durante a ocasião, participantes terão informações sobre a Bolsa Chanceler, que traz vários benefícios aos bolsistas, incluindo ajuda mensal que varia entre 2.150 e 2.750 euros, além da oportunidade de uma reunião com a Chanceler Alemã Angela Merkel

A Bolsa Chanceler Alemã para futuros líderes do Brasil (German Chancellor Fellowship for prospective leaders from Brazil), que chega em sua nova edição (2017/2018), terá esse ano duas apresentações oficiais no Brasil (São Paulo e Porto Alegre).

No dia 20 de junho, a capital paulista será palco dessa apresentação na residência oficial do Cônsul Geral da Alemanha em São Paulo. O momento contará com a participação especial do Cônsul Geral da Alemanha, Axel Zeidler; do Vice-Presidente Executivo da Câmara Brasil-Alemanha de São Paulo e Embaixador do Projeto no Brasil, Thomas Timm; e do representante da Fundação Alexander von Humboldt, Walter Denk, que vem ao Brasil exclusivamente para este momento.

Um dia antes (19 de junho), a apresentação será pela primeira vez em Porto Alegre na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC). Na ocasião estarão presentes o Cônsul Geral da Alemanha de Porto Alegre, Dr. Stefan Traumann; o membro do Comitê de Seleção do Projeto no Brasil e membro da Diretoria da Câmara Brasil-Alemanha, Dr. Christian Roschmann, e o representante da Fundação Alexander von Humboldt, Walter Denk.

As duas apresentações estarão abertas a todos os interessados na Bolsa  Chanceler e é preciso se inscrever antecipadamente para participar do evento (inscrições até dia 16 de junho), que será seguido por um coquetel.  (Número limitado de participantes)

Durante as apresentações em São Paulo e Porto Alegre, os participantes terão acesso a informações sobre o programa “German Chancellor Fellowship”, que é uma oportunidade única para jovens talentos brasileiros, que, além de impulsionarem suas carreiras, recebem incentivo financeiro para capacitação profissional e pessoal na Alemanha, país detentor de importantes e renomadas universidades, tecnologias e mestres. Além disso, o projeto conta com o patrocínio da Chanceler da República Federal da Alemanha, possibilitando, assim, a oportunidade única de apresentarem seus projetos para a Chanceler Alemã Angela Merkel.

O objetivo da Bolsa Chanceler, que já traz um histórico de sucesso em outros países (China, Índia, Rússia e Estados Unidos) e implementado no Brasil desde 2013, é promover pessoas e projetos com investimentos da Alemanha, incentivando o intercâmbio multicultural. No Brasil, essa iniciativa da Fundação Alexander Humboldt, que conta com a parceria da Câmara Brasil-Alemanha, destaca-se a cada ano com número recorde de inscritos. O Brasil desde a edição retrasada (2015/2016) deixa sua marca totalizando mais aplicações que todos os outros países juntos.

A bolsa de estudo da Fundação Alexander Humboldt tem duração de um ano e as inscrições vão até o dia 15 de setembro de 2017. Para mais informações, acesse: www.humboldt-foundation.de/youngleaders   

De olho na Bolsa Chanceler Alemã para futuros líderes

O programa “German Chancellor Fellowship” é destinado a jovens pesquisadores do Brasil, China, Índia, Rússia e Estados Unidos. A iniciativa da Fundação Alexander von Humboldt (AvH) concede ainda os futuros líderes a oportunidade de realizarem um projeto de pesquisa sobre questões mundiais como convidados em cooperação com uma instituição-anfitriã da Alemanha. Com apoio do anfitrião, os bolsistas têm um ano para se concentrarem em seus objetos de estudo. A Bolsa Chanceler contempla várias áreas distintas como Política, Economia, Mídia, Administração ou Cultura.

Todos os requisitos podem ser conferidos no edital da fundação. 

Formação superior completa, fluência em inglês ou em alemão são alguns dos requisitos da bolsa. Outra exigência é a apresentação de uma carta de recomendação de um mentor para a pesquisa, que pode ser de instituição de ensino privada ou pública. A ajuda mensal para os aprovados varia entre 2.150 euros e 2.750 euros, dependendo das qualificações. Cursos adicionais de alemão, suporte para a família acompanhar o bolsista e as despesas com viagem estão previstos na bolsa. 

A Fundação Alexander von Humboldt promove a cooperação acadêmica entre cientistas de excelência e acadêmicos do exterior e da Alemanha por meio de suas bolsas de pesquisa. Informações http://www.humboldt-foundation.de/

Serviço São Paulo
Apresentação da nova edição da German Chancellor Fellowship for prospective leaders from Brazil 
Data: 20 de junho de 2017  
Horário: 19h00
Local:  São Paulo – SP  
Informações e inscrições: (11) 5187-5140 
E-Mail: eventos@ahkbrasil.com. 

Serviço Porto Alegre
Apresentação da nova edição da German Chancellor Fellowship for prospective leaders from Brazil
Data: 19 de junho de 2017  
Horário: 14h00
Local:  PUC Rio Grande do Sul 
Av. Ipiranga, 6.681, – Auditório Prédio 5  – CEP: 90619-900 Porto Alegre / RS
Informações e inscrições: (11) 5187-5140 
E-Mail: eventos@ahkbrasil.com. 

Inscrições até dia 16 de junho | Limite de participantes

(Foto: Bundesregierung / Sandra Steins. Por Ana Paula Calegari)

Oktoberfest São Paulo

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 4 de junho de 2017 Marcadores: , , , 0 comentários

Entre os dias 29 de setembro e 08 de outubro, a capital paulista irá celebrar a OKTOBERFEST. Será a primeira edição da festa alemã que entra para o calendário oficial do município. O Anhembi contará com uma estrutura de 23 mil m2 para receber mais de 200 mil pessoas em 10 dias, dispostas a degustar comidas típicas, cerveja, muita música e diversão.

A tradicional festa surgiu na cidade alemã de Munique, há mais de 200 anos, e hoje é comemorada em várias partes do mundo. Os imigrantes que se estabeleceram no sul do Brasil a celebram todos os anos. São Paulo, hoje, é a maior cidade industrial alemã fora daquele país. Portanto, chegou a hora da capital paulista ganhar a sua OKTOBERFEST, homenageando a comunidade germânica e oferecendo à população acesso a essa cultura tão rica.

O Anhembi será totalmente ambientado aos moldes da festa de Munique. O espaço contará com dois palcos para shows e áreas como o Biertent (tenda da cerveja, onde serão servidas variedades da bebida, comidas típicas e apresentações musicais); o Biergarten (mesas ao ar livre e barracas de alimentos, bebidas, produtos variados e um grande palco), e o Bierpark (parque de diversões com roda-gigante, carrossel e diversos brinquedos para adultos e crianças). O evento já conta com o apoio da Mercedes-Benz, a parceria do programa Smiles, e a GOL como companhia aérea oficial em âmbito nacional.

A produção da festa calcula que irá gerar cerca de mil empregos diretos e indiretos. De acordo com a São Paulo Turismo (SPTuris), grandes eventos do segmento de entretenimento também são um ótimo negócio para o turismo. Festas como o Carnaval no Sambódromo do Anhembi, por exemplo, atraem cerca de 20% de pessoas de fora da cidade e mobilizam a economia da capital em torno de R$ 90 milhões, segundo dados do Observatório de Turismo e Eventos de São Paulo, núcleo de pesquisa da empresa municipal. Toda a cadeia turística é movimentada, o que inclui meios de hospedagem, bares, restaurantes, serviços de transporte, lojas e dezenas de outros.

Os ingressos passam a ser vendidos pelo site www.ticket360.com.br a partir de 1º de junho. As entradas custam de R$100 a R$150 reais, com possibilidades de aquisição de camarotes para grupos maiores. Há meia entrada para estudantes e idosos, menores de 14 anos não pagam o ingresso. Haverá esquema especial de transporte público para a população, bem como serviço de shuttle oferecido pela produção do evento.

(Fonte: Brasil Alemanha News)

Programa Audi de Capacitação

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 28 de maio de 2017 Marcadores: , 0 comentários

A Audi do Brasil capacitará 15 jovens carentes da capital paulista em um projeto social lançada em março, em parceria com a Fundação Projeto Pescar. Com idade entre 16 e 19 anos, os aprendizes, que estão em situação de vulnerabilidade social, estão recebendo capacitação profissional em Manutenção de Mecânica Veicular, além de conteúdos que contemplam o desenvolvimento pessoal e aspectos ligados à cidadania. As 800 horas de aulas estão sendo ministradas de forma voluntária pelos colaboradores da empresa ao longo de 2017.

“A responsabilidade socioambiental está inserida no propósito da Audi. Trabalhamos no desenvolvimento de tecnologias voltadas ao futuro da mobilidade, de materiais mais leves, de motorizações com baixa emissão, além de processos que seguem preceitos sustentáveis. E o nosso entorno é muito importante também. Por isso, iniciamos esse projeto com jovens carentes, para que possam não só ter oportunidades de inserção no mercado de trabalho, mas também uma boa formação cívica, contribuindo para a construção de um futuro melhor”, destaca Johannes Roscheck, presidente e CEO da empresa.

As aulas, que estão sendo realizadas no Centro de Treinamento e Competência Tecnológica da Audi, em São Paulo, são ministradas exclusivamente por colaboradores da montadora. A empresa montou uma equipe técnica para lecionar sobre mecânica veicular, com foco em profissionalização, em uma grade que abrange 40% de todo o curso. As demais horas são voltadas para o ensino da língua inglesa, matemática, informática, além de questões voltadas à cidadania, como diversidade cultural e social, entre outros.

Para a seleção dos jovens aprendizes, a Audi disponibilizou em escolas públicas da capital paulista um formulário de inscrição, para ser preenchido por interessados com renda familiar per capita de até meio salário mínimo. Os interessados passaram por uma triagem, com entrevista individual e visita domiciliar. A turma de 2017 recebeu uniforme, transporte e alimentação. A ideia é que o projeto seja permanente, formando novos jovens no futuro.

O Projeto Pescar tem presença em cinco países e já atendeu quase 28 mil jovens em situação de vulnerabilidade, reunindo mais de 2500 voluntários. O índice de empregabilidade dos aprendizes que passam pelos programas de capacitação oferecidos em parceria com as empresas é de mais de 90%. Para mais informações, acesse aqui.

(Fonte: DW)

Vans Elétricas

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 14 de maio de 2017 Marcadores: , , 0 comentários

A Mercedes-Benz e a Hermes, uma das empresas líderes do setor de logística de distribuição urbana na Alemanha, firmaram acordo para substituir veículos da frota atual da transportadora por modelos elétricos. Os veículos equipados com bateria serão utilizados num projeto piloto, com início previsto para 2018, em operações da Hermes nas cidades alemãs de Hamburgo e Stuttgart.

Até 2020, esse cliente pretende contar com 1.500 comerciais leves elétricos da Mercedes-Benz, entre Vito e Sprinter, para utilização em áreas urbanas, visando aumentar a economia operacional, a sustentabilidade e trazer mais praticidade para a logística de entrega.

“A tecnologia de propulsão elétrica será decisiva para o transporte urbano, especialmente no uso comercial. Como exemplo, as entregas devem se tornar mais eficientes e sem emissões. No ano passado, anunciamos que colocaríamos uma van elétrica em série novamente. A primeira foi em 2011”, diz Volker Mornhinweg, chefe mundial da Mercedes-Benz Vans.

Segundo Frank Rausch, CEO da Hermes Alemanha, a parceria com a Mercedes-Benz é um marco no progresso da proteção do clima e do meio ambiente com a mobilidade elétrica. “Com as vans elétricas da Mercedes-Benz, iniciamos o processo de renovação da frota de maneira sustentável, utilizando-a em operações de entregas urbanas”.

Eletricidade é uma energia sem impacto no clima

Devido ao crescimento das vendas de produtos pela internet, as empresas de logística estabeleceram como meta melhorar a eficiência, produtividade e sustentabilidade nas entregas das encomendas, além de incrementar a qualidade dos serviços junto aos clientes.

Até 2025, a Hermes planeja executar as entregas nos centros das principais cidades alemãs totalmente sem emissões. Somente eletricidade, a partir de fontes 100% renováveis, será utilizada para a recarga das baterias de propulsão dos veículos. A energia será gerada sem impacto algum ao clima e em conformidade com o selo verde de eletricidade “Grüner Storm”, emitido por associações ambientais.

Novos conceitos sobre a entrega e a eficiência econômica dos veículos elétricos deverão ser adotados para a integração das vans elétricas nos processos operacionais já existentes, inclusive a infraestrutura necessária para recarregar as baterias. Com a utilização dos comerciais leves elétricos da Mercedes-Benz, silenciosos e livres de emissões, a parceria entre as duas empresas alemãs deseja influenciar o mercado, visando à otimização do transporte urbano de mercadorias.

Sistemas conectados e soluções inteligentes

Outro importante ponto para a melhoria da eficiência das entregas, refere-se ao desenvolvimento de sistemas inteligentes que equipam as vans. Com a parceria, a Mercedes-Benz Vans também implementará serviços conectados, como, por exemplo, que otimizem o planejamento das rotas de entrega com informações sobre a autonomia da bateria.

A Mercedes-Benz contribuirá também com soluções inteligentes de carga e espaço, além de inovadores serviços de mobilidade para a empresa, o que inclui novas modalidades de leasing e de locações de curto prazo

(Fonte: DW)

Reciclar "Ganhando" Dinheiro

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado sexta-feira, 5 de maio de 2017 Marcadores: , 0 comentários

Que os alemães amam cerveja é fato. Mas que costumam acumular caixas com garrafas em casa é algo que só entendemos quando vamos ao supermercado. Pessoas fazem filas para entregar garrafas de vidro e plástico na "Pfandautomat”. A máquina calcula o valor do recipiente e o devolve na forma de um ticket, que pode ser recebido em dinheiro no caixa ou descontado na compra.

Não foi à toa que uma funcionária da Deutsche Bahn – companhia ferroviária que opera os trens na Alemanha – me perguntou se eu iria deixar a garrafa de água para trás no restaurante de bordo. "Vale 25 centavos”, me alertou. Chequei, e o valor até aparecia na embalagem.

O esquema do "Pfand" (depósito, em alemão) funciona como um caução. Quando faz a compra, o consumidor paga um valor extra pela garrafa – entre 8 e 25 centavos de euro – e o resgata quando devolve o recipiente no supermercado. Essa quantia já está incluída no preço da mercadoria.

A estratégia é adotada pela Alemanha há cerca de três décadas para incentivar a reciclagem, reduzir danos ao meio ambiente e forçar os produtores de bebidas a manter a cota de 70% de vasilhames reutilizáveis estabelecida pela lei de embalagens alemã.

Depois que você deposita todas as garrafas, a máquina soma a quantia e gera um cupom que pode ser levado ao caixa para ser abatido no valor da compra. Mesmo sem comprar nada no supermercado, é possível apresentar o ticket e receber o valor em moedas.

Os vasilhames de cerveja são os mais "baratos” – valem 8 centavos. Os que têm tampa com fechamento "flip top" custam 15 centavos, assim como garrafas de água e refrigerantes. Garrafas recicláveis que são utilizadas apenas uma vez e latinhas de alumínio valem 25 centavos. Elas são derretidas e o material é reutilizado na produção de novos vasilhames. Já o tradicional casco das garrafas de vidro vale cerca de 3 euros.

Com algumas garrafas de vinho é possível recuperar entre 2 e 3 centavos. Mas em geral licores e bebidas destiladas, leite e suco de frutas não têm o "Pfand”. Além disso, a regra vale apenas para marcas nacionais.

As garrafas classificadas como "Merhweg” (as que são reutilizáveis) representam 50% das embalagens de bebidas na Alemanha. Os recipientes passam por um processo de limpeza antes de serem novamente enchidos e voltarem aos supermercados. Segundo o Departamento Federal do Meio Ambiente alemão (UBA), garrafas retornáveis de vidro podem ser reutilizadas até 50 vezes e as de plástico, até 20 vezes. Apenas as tampas são recicladas.

As garrafas "Mehrweg” são as que causam menos danos ao meio ambiente. Elas podem ser devolvidas em qualquer estabelecimento na Alemanha, mas o UBA recomenda que os consumidores comprem, de preferência, garrafas produzidas na região para reduzir o impacto ambiental do transporte dos vasilhames até o produtor original.

Praticamente todos os supermercados são obrigados a ter Pfandautomaten ou receberem as garrafas dos consumidores. Cada máquina custa entre 7 mil e 15 mil euros. Boa parte do plástico PET é vendido para a China, que usa o material para confeccionar fibras têxteis, estofados domésticos, lonas plásticas e brinquedos.  

O "Pfand" é também uma forma de ganhar dinheiro extra ou até de sustento para quem vive na Alemanha. É comum ver estudantes em mutirões para recolher garrafas nas ruas e, com o dinheiro obtido no supermercado, garantir a festa do fim de semana. Ou idosos em situação vulnerável vasculhando cestos de lixo em busca das garrafas retornáveis. Voluntários costumam doar as garrafas para quem precisa.

(Fonte: Alemanices, coluna de Karina Gomes. Ela escreve crônicas sobre os hábitos alemães, com os quais ainda tenta se acostumar. A repórter da DW Brasil e DW África tem prêmios jornalísticos em direitos humanos e sustentabilidade e vive há três anos na Alemanha)