Header image

Tatuagem Macabra

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quarta-feira, 2 de novembro de 2016 Marcadores: ,

Um tribunal alemão condenou nesta segunda-feira (07/11) um político de extrema-direita a oito meses de prisão sem liberdade condicional por exibir uma tatuagem de conteúdo nazista em uma piscina pública na Alemanha. A sentença foi proferida em Neuruppin, norte da capital alemã, endurecendo uma pena de seis meses de prisão condicional anunciada em dezembro do ano passado, vista pelos promotores como muito branda.

Marcel Z., de 28 anos e membro do Partido Nacional Democrático da Alemanha (NPD), de extrema direita, foi considerado culpado por incitação ao ódio após ter sido fotografado sem camisa em novembro de 2015 numa piscina pública de Oranienburgo, cidade a cerca de 30 quilômetros de Berlim. Em suas costas, ele trazia uma imagem do campo de concentração de Auschwitz com os dizeres Jedem das Seine (A cada um, o seu) – inscrição que aparece no portão de entrada do campo de concentração de Buchenwald. Trata-se do maior campo de extermínio do regime nazista, em que, entre 1937 e 1945, ficaram confinados mais de 250 mil judeus, ciganos e oponentes políticos de Adolf Hitler.

Tatuagem mostra campo de concentração de Auschwitz e dizer "Jedem das Seine" (A cada um, o seu). Segundo o jornalista que fotografou o episódio e publicou a foto no Facebook, ninguém reclamou quando Zech tirou a camisa. Joern Kalbow, juiz que reavaliou o caso, achou procedente aumentar a pena de Zech e observou ainda que o país tem enfrentado uma onda de ataques xenófobos. Para ele, uma sentença mais branda poderia ser interpretada como "um recuo do Estado diante do radicalismo de direita". Durante o julgamento, o advogado de Zech, Wolfram Nahrath, informou que seu cliente alterou a tatuagem para poder continuar frequentando piscinas com seus filhos. De acordo com o promotor Torsten Lowitsch, a imagem de Auschwitz foi coberta por um desenho de Max e Moritz, personagens de contos infantis alemães, mas a frase permanece. A defesa já disse que pretende recorrer.

(Fonte: IP/afp/ap/epd)

0 comentários:

Postar um comentário