Header image

VI Encontro de Danças Folclóricas Alemãs

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 28 de fevereiro de 2016 Marcadores: , , 0 comentários

É com imensa alegria que o Portugieserschneiss Volkstanzgruppe convida seu grupo de danças para participar do VI Encontro de Danças Folclóricas Alemãs, categoria Mirim, Infantil, Infanto Juvenil e Juvenil, a realizar-se dia 09 de abril de 2016, no Parque Municipal de São José do Hortêncio, evento integrante da XVI Festa Municipal do Aipim de São José do Hortêncio, com a seguinte programação:

9h30min: Recepção dos grupos
10h: Abertura do Encontro e apresentação do grupo anfitrião
12 às 13h: Intervalo para almoço (haverá diversas opções na praça de alimentação) 
13h: Apresentação Mig Musical- Animação Infantil
Logo após, continuação das apresentações.

Não haverá cobrança de ingresso neste dia.

As apresentações dos grupos visitantes irão transcorrer da seguinte maneira: anexada a este convite, há uma lista de danças que podem ser ensaiadas e todos poderão participar das danças que quiserem. Será uma grande integração. Quanto mais dançarmos, mais animado será o nosso encontro!

As presenças devem ser confirmadas até o dia 03/04/16 pelos e-mails portugieserschneiss@hotmail.com ou lussbender1@hotmail.com.br ou pelo fone 51-98671653 (Luciane) à noite.

Contamos com a presença do seu grupo para o sucesso do nosso evento!

Um abraço dos 
Coordenadores e integrantes do Portugieserschneiss 

15ª Schlachtfest em Teutônia

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 21 de fevereiro de 2016 Marcadores: , , 0 comentários

Amigos folcloristas!

Os povos são repletos de tradições e as atividades sociais fazem parte delas. Por este motivo é que está sendo preparada a 15ª Schlachtfest, uma festividade vinda com os primeiros imigrantes que colonizaram Teutônia e que até hoje traz ao município as danças folclóricas, a culinária típica e a integração entre os amigos. Junto com a Schlachtfest, o grupo da Associação Artístico Cultural Teutônia comemora o 31º aniversário.

DATA: 14 de maio de 2016.

LOCAL: Centro Comunitário da Comunidade Redentor (Bairro Canabarro – Teutônia)

PROGRAMAÇÃO:
18 horas – Recepção dos grupos.
19h 30min – Início da janta (Cardápio: Carne de rês, assado de porco, frango, arroz, batata souté, massa, molho e saladas diversas)
20h – Início das apresentações: as apresentações individuais dos grupos convidados serão organizadas durante a janta, somente para os grupos que chegarem até às 21 horas. Cada grupo poderá escolher até 2 danças para apresentar.
22h – Danças de integração.
22h 40min – Apresentação do grupo local.

Após as danças folclóricas haverá baile com a Orquestra La Montanara.

O valor da janta com ingresso será de R$ 30,00 e somente ingresso para o baile R$ 15,00.

INSCRIÇÕES: até o dia 8 de maio, com Tatiani:

Fone 51 8174 0284 / tatiani.fie@gmail.com / Facebook / WhatsApp 51 9927 8182.

Três de Maio

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 14 de fevereiro de 2016 Marcadores: , , 0 comentários

“EM MAIO VAMOS TODOS PARA TRÊS DE MAIO...”

A “Associação Cultural Alemã de Três de Maio” e seu Grupo de Danças Alemãs “TANZGRUPPE MAIBLUME”, convidam o seu Grupo de Danças para participar da “Deutsches Fest” - 3º Encontro de Grupos de Danças do Folclore Alemão, a realizar-se no dia 14 de Maio de 2016, nas dependências do “Clube Buricá” em Três de Maio.

Programação:

19h: Jantar; (Jantar e ingresso para baile: R$ 30,00)
21h: Início das Apresentações dos Grupos (2 danças por grupo, máximo 07 minutos).
23h: Baile de Chopp com a “Banda Munique”.

*Confirmação de presença e reserva de barris de chopp até 07/05 com: Lilian (55) 9926 8496, lilianwelter@terra.com.br

Aguardamos a todos com muito carinho e alegria.

“TANZGRUPPE MAIBLUME”

Pressão Sobre Merkel

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 7 de fevereiro de 2016 Marcadores: , , 0 comentários

Correligionários insatisfeitos enviam carta à chanceler federal, parceiros de coalizão a criticam, e o apoio popular continua caindo: a cada dia aumenta a pressão para que Merkel revise sua política para refugiados.

Finalmente uma boa notícia para a chanceler federal alemã, Angela Merkel: falando ao jornal Rhein-Neckar Zeitung, o ministro da Justiça, Heiko Maas, manifestou seu apoio a ela no debate sobre os refugiados. "É certo que estamos todos de acordo quanto à meta: queremos ajudar pessoas em grande necessidade. Temos que reduzir a velocidade do afluxo humano a uma dimensão razoável." O político do Partido Social-Democrata (SPD), da coalizão governamental, aproveitou para investir tanto contra os críticos internos na União Democrata Cristã (CDU), partido de Merkel, como contra o terceiro parceiro no governo, a União Social Cristã (CSU). "As constantes ameaças da CSU são tão pouco úteis quanto os abaixo-assinados contra ou a favor da Sra. Merkel na própria bancada dela."

A chefe de governo alemã foi convidada para o encontro dos deputados estaduais bávaros da CSU em Wildbad Kreuth, em janeiro. Lá, ela será novamente confrontada com as exigências da legenda de uma correção de curso. Os conservadores da Baviera querem limitar em 200 mil o número de refugiados em 2016, sendo os excedentes recusados já na fronteira. Merkel rejeita com veemência a fixação de um limite máximo. Esse permanente atrito com os social cristãos, que já dura semanas, tem posto à prova os nervos da chanceler, mas também de seus apoiadores dentro da CDU. A vice-presidente do partido, Julia Klöckner, candidata ao governo estadual da Renânia-Palatinado, aconselhou os críticos de Merkel a "simplesmente fechar a matraca." O secretário das Finanças da Baviera, Markus Söder, da CSU, rebateu: "Fechar a matraca é o slogan errado. O certo seria: abrir os olhos."

O grupo de 44 deputados federais da CDU que se recusa a continuar apoiando o curso político de Merkel não chega a ir tão longe quanto a CSU. Eles escreveram uma carta à chanceler federal – o que, por si só, já é uma iniciativa incomum – exigindo a deportação dos refugiados que não possuam passaportes válidos ou tenham entrado na União Europeia por outros países.
Merkel rejeita igualmente essa alternativa. Os signatários falam de um "clima tenebroso" na bancada. Também nos diversos distritos eleitorais, praticamente mais ninguém é a favor da política para refugiados defendida por Berlim, afirmam.

Um dos iniciadores da carta é o parlamentar Christian von Stetten. Na emissora N-TV, ele assegurou: não se trata de um levante contra Merkel. No entanto, os signatários fazem questão de enfatizar que "a manutenção das leis alemãs e europeias nas fronteiras é urgentemente necessária".

Unidos aos 56 deputados da CSU, os 44 insatisfeitos no partido do governo formam um grupo de 100 dentro da bancada da CDU/CDU que são contra a política para refugiados de Merkel. Isso equivale a um terço de todos os representantes populares da ala conservadora.

Fontes da Chancelaria Federal alegam que Merkel quer primeiramente tentar tudo o que puder no nível europeu, para que se chegue a uma distribuição justa dos refugiados dentro da União Europeia. Só depois disso ela poderá defender correções no nível político interno. Só que ela não dispõe mais de muito tempo. Sua legenda e o parceiro de coalizão SPD estão nervosos, pois em meados de março realizam-se eleições legislativas em três estados. E aí se estima que crescerá consideravelmente o eleitorado do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), populista de direita.

As pesquisas de opinião mais recentes também prometem ser motivo de dor de cabeça para a líder democrata cristã: por encomenda da revista Stern, entre outras, o Instituto Forsa constatou que apenas 44% dos entrevistados consideram Merkel a figura ideal para ocupar a chefia de governo – quatro pontos percentuais a menos que na enquete anterior. Além disso, pela primeira vez, o AfD desponta com 10% dos votos em nível nacional.

Até mesmo os refugiados criticam o governo e as autoridades alemãs. No estado da Renânia do Norte-Vestfália, cerca de 200 solicitantes de asilo apresentaram queixa contra o Departamento Federal de Migração por "inação". Os mandantes, a maioria da Síria e de Eritreia, já esperam há mais de um ano que seus requerimentos de asilo sejam analisados.
(Fonte: DW)