Header image

Ópera de Wagner no cinema

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quinta-feira, 26 de março de 2015 Marcadores: , , 0 comentários

“O Navio Fantasma” chegou às salas da Rede Cinemark no dia 26 de março. Os espectadores poderão assistir nos cinemas da Rede Cinemark a ópera O Navio Fantasma (em alemão, “Der Fliegende Holländer”, ou “O Holandês Voador”), do compositor alemão Richard Wagner. Com o famoso baixo-barítono galês Bryn Terfel como protagonista, o espetáculo integra a temporada 2014/2015 de óperas e balés da Royal Opera House de Londres.

Os ingressos já podem ser adquiridos no site http://www.cinemark.com.br ou nas bilheterias dos cinemas participantes. Clientes Cinemark Mania têm 50% de desconto no valor do ingresso. O Navio Fantasma tem estreia agendada para esta quinta-feira (26), e será exibido também nos dias 28 de março (sábado); 29 de março (domingo); e 31 de março (terça-feira), em 30 cinemas da Rede no País.

A Royal Opera House apresenta mais de 400 espetáculos por ano no seu teatro em Londres. Na temporada 2013/2014, mais de 100 mil pessoas apreciaram os espetáculos nas salas de cinema da Rede Cinemark em todo o mundo. O Brasil tem um papel importante entre os mais de 35 países onde são apresentadas as óperas e os balés da ROH desde 2011, quando foi o segundo País em público na exibição de “Carmen em 3D”, atrás apenas do Reino Unido.

Sinopse:

A primeira obra de Wagner a figurar no repertório dos grandes teatros do mundo e sua terceira composição para os palcos, O Navio Fantasma explora em três atos os temas da condenação e da redenção, que fascinaram o compositor alemão ao longo de sua carreira. Neste conto, o capitão do Navio Fantasma (Bryn Terfel) é forçado a navegar os mares por toda a eternidade, sem nunca chegar a um porto, caso não encontre o fiel amor de uma mulher.

Senta (Adrianne Pieczonka), a filha do capitão de um navio pesqueiro, conhece a história do holandês e tenta ajudá-lo a quebrar o feitiço. Ambos lutam contra o ciúme de Erik, pretendente à mão de Senta. Admirado por suas interpretações de Wagner com a City of Birmingham Symphony Orchestra, Andris Nelsons retorna à Royal Opera House e rege a mais nova montagem para casa de espetáculos londrina.

Imigração para Alemanha

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado terça-feira, 17 de março de 2015 Marcadores: , 0 comentários

Alemanha precisa atrair mais imigrantes, diz estudo. Levantamento mostra que país precisa aumentar em 533 mil a população de estrangeiros por ano para manter equilíbrio no sistema social. População economicamente ativa será reduzida em um terço até 2030.

Nas próximas décadas, a Alemanha precisa atrair por ano mais de 530 mil pessoas a mais do que as que deixam o país, se quiser manter estáveis o volume de mão de obra e o sistema social do país até o ano de 2050, revelou um estudo divulgado nesta sexta-feira (27/03) pelo Instituto Bertelmann. Ainda que todo o potencial doméstico seja totalmente utilizado e que a ocupação feminina e de pessoas mais velhas aumente, o país precisará receber 350 mil estrangeiros anualmente, calculam os pesquisadores.

Os números atuais estão aquém do necessário para o equilíbrio na economia alemã. No ano passado, a Alemanha registrou um aumento de 470 mil pessoas em sua população estrangeira. Nos últimos 60 anos, a média anual foi bem inferior: apenas 200 mil pessoas. Sem imigrantes, diz o levantamento, o número de pessoas na idade economicamente ativa daqui a 35 anos vai despencar dos atuais 45 milhões para 29 milhões.

O estudo mostra ainda que metade da força de trabalho qualificada – formada por pessoas nascidas durante o "baby boom" dos anos 1950 e 1960 – vai se aposentar até 2030, deixando aberto um espaço que só poderá ser preenchido com mão de obra estrangeira. Os autores do levantamento ressaltam ainda que será fundamental atrair mão de obra qualificada de países de fora da União Europeia, já que a população no bloco europeu também tende a cair.

Outro fator a ser considerado é a futura recuperação econômica dos Estados atualmente em crise, que também deverá desestimular a emigração. Ao todo, a população estrangeira de origem europeia na Alemanha aumentou em 300 mil em 2013, número que deve despencar para apenas 70 mil até 2050.

Em 2013, 140 mil pessoas de nacionalidade não europeia trocaram seus países pela Alemanha – muitos por motivos familiares, humanitários ou para estudos. Apenas 25 mil vieram por motivos profissionais, como mão de obra qualificada. Pesquisadores preveem que o governo alemão terá que atrair entre 276 e 491 mil cidadãos não europeus por ano até 2050

(Fonte:DW)

Intensivo de Língua Alemã

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado quinta-feira, 12 de março de 2015 1 comentários


Páscoa em Gramado

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado terça-feira, 10 de março de 2015 Marcadores: , , 0 comentários

Prezados Parceiros!

É com muita alegria que enviamos abaixo convite para a Abertura da Páscoa em Gramado - Festival do Chocolate e Gramado Aleluia e a programação completa do evento.

Pedimos a todos que divulguem para os seus contatos. Como sabemos, foi informado na mídia que Gramado não teria mais evento de Páscoa, e agora é a hora de divulgarmos que Gramado terá sim um belo evento de Páscoa, com uma programação muito bacana e o melhor - totalmente gratuita!

Contamos com o apoio de vocês! 

A CASA DA JUVENTUDE ainda dispõe de vagas para os que quiserem desfrutar desses eventos! Entre em contato e  reserve o seu lugar.

Arte Alemã

Postado por ACG - Associação Cultural Gramado domingo, 8 de março de 2015 Marcadores: 0 comentários

"O artista é alguém que faz coisas, das quais ninguém precisa. Mas ele pensa, por alguma razão, que seria bom oferecer essas coisas às pessoas". O popularíssimo Andy Warhol, que dominava melhor que ninguém a arte de vender o que fazia, sabia o que estava dizendo. Quem se candidata a uma vaga em uma escola superior de artes na Alemanha tem também que ter uma boa dose de persistência. Quem quer mesmo entrar ali precisa provar que tem talento. Uma tarefa nem um pouco fácil.

Aproximadamente 700 candidatos se inscrevem a cada ano para uma vaga na Academia de Belas-artes de Düsseldorf, provavelmente uma das instituições de ensino mais cobiçadas na Alemanha para quem quer estudar artes. Anualmente, só são aceitos em torno de 100 estudantes, às vezes um pouquinho mais, às vezes menos.

Quando Joseph Beuys, ícone da arte alemã do pós-guerra, tentou mudar isso, no ano de 1972, ele foi demitido sumariamente, depois de ter lecionado durante 11 anos na Academia. Beuys considerava toda pessoa um artista. Por isso, dizia ele, qualquer um deveria poder participar de suas aulas, inclusive os rejeitados pela escola. Em seus áureos tempos, ele chegou a amontoar 400 alunos em sala de aula, entre estes personalidades que se tornariam conhecidas no cenário das artes, como Jörg Immendorff, Blinky Palermo ou Katharina Sieverding.

Alguns dos ex-alunos da Academia de Belas-artes de Düsseldorf se tornaram famosos em todo o mundo, como é o caso de Gerhard Richter, por exemplo. Ou de Bernd e Hilla Becher, que, com seus olhares peculiares, criaram o que se tranformou em uma vertente fotográfica: a "Escola dos Becher".

Thomas Struth, Thomas Ruff e Andreas Gursky, conhecidos nos EUA como os "Struffkys", são outros artistas de renome internacional que estudaram na Academia de Düsseldorf. Alguns dos ex-alunos famosos retornaram inclusive à instituição na condição de professores.

O primeiro obstáculo a ser vencido é a prova de admissão, que geralmente exige do candidato muita criatividade e autonomia. É preciso apresentar um portfólio com 20 a 25 obras originais, embora não haja determinação de uma temática ou técnica específica no que diz respeito aos trabalhos. Com estes trabalhos em mãos, uma comissão decide se o candidato dispõe ou não de "um talento especial para a arte". Este é o pré-requisito para conseguir uma vaga. Düsseldorf é uma das 23 escolas superiores na Alemanha que oferecem cursos de artes. Em todas elas, há atualmente mais de 10 mil estudantes. Os recordes dos leilões de arte e histórias de talentos, descobertos da noite para o dia, parecem povoar a fantasia de muitos jovens. A realidade, contudo, é bastante distinta. Apenas alguns poucos conseguem viver de arte: em 2010, a média salarial no setor na Alemanha, segundo informações oficiais, era de modestos 13.185 euros por ano.

Estes fatos costumam ser omitidos, de forma que o interesse pela arte na sociedade aumentou assustadoramente nos últimos 20 anos. Quando a Academia de Belas-artes de Düsseldorf abre suas portas uma vez por ano para a população, durante uma semana, há sempre uma avalanche de até 40 mil visitantes, interessados em conhecer as instalações e os ateliês da instituição. Números que até então só eram registrados em eventos esportivos. Galeristas e curadores rastreiam também as universidades, a fim de buscar na fonte as estrelas de amanhã.

Principalmente as exposições de alunos das universidades de artes de Hamburgo, Berlim, Munique, Leipzig e Frankfurt atraem os especialistas. Em Frankfurt fica a Städelschule, a menor escola superior de artes do país, onde os alunos encontram condições ideais para o aprendizado, com dez artistas reconhecidos internacionalmente, à disposição de aproximadamente 170 estudantes.

Já os pintores aspirantes costumam preferir Leipzig. Entre os críticos de arte, a Escola Superior de Artes Gráficas e Editoriais foi considerada, no ano de 2008, a melhor do país nos cursos de pintura e artes gráficas. Entre 2005 e 2009, o conceituadíssimo Neo Rauch foi professor ali. Foi através dele que a chamada Nova Escola de Leipzig se transformou em selo de qualidade, hoje tão reconhecida em todo o mundo como um Volkswagen ou um BMW. Uma situação que fez do Leste do país um lugar atraente como local de estudos para artistas.

A Academia de Artemídia de Colônia (KHM) iniciou suas atividades em 1990, como primeira escola superior de artes dedicada às mídias audiovisuais. Naquela época, era oferecida apenas uma pós-gradução nas áreas de artemídia, mídia, ciência da arte e cinema. Cinco anos mais, tarde, a escola havia expandido: desde 1995, a KHM oferece, além da pós-graduação em quatro semestres, também um curso superior completo, de nove semestres, em áreas específicas. As ofertas vão desde o desenvolvimento de projetos inovadores para a internet, passando pela história de aparelhos musicais e sonoros, até teoria da mídia e artemídia. Cerca de 360 estudantes recebem ali formação, no convívio com 36 professores, até se tornarem profissionais ligados ao cinema ou à artemídia. O diploma concedido pela KHM, em "Artes e Mídia", é único na Alemanha. Ao contrário do que ocorre nas academias de arte, não há na instituição uma relação tradicional entre mestre e aluno, mas os estudantes trabalham em projetos, orientados por diversos professores.

Mesmo com tantas áreas distintas nas escolas na Alemanha, uma coisa é certa: não basta ser bom para se tornar conhecido. O emaranhado do mercado de artes é praticamente impossível de ser compreendido. Para se obter sucesso, ajuda, com certeza, saber convencer os outros da própria capacidade. Resumindo: é importante saber convencer os outros de que eles precisam, de qualquer forma, daquilo que você, como artista, faz.

(Fonte: DW - Autora: Sabine Oelze (sv) - Revisão: Carlos Albuquerque)